Parlamento britânico aprova casamento gay

O projeto de lei, apoiado pelo primeiro-ministro David Cameron, ainda precisa passar por outras avaliações das Câmaras baixa e alta

Parlamento britânico aprova casamento gay
Parlamento britânico aprova casamento gay
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Opera Mundi - Por 400 votos a favor e 175 contra, o Parlamento britânico aprovou nesta terça-feira (05/02) uma lei que autoriza casais de mesmo sexo a se casarem. O projeto ainda precisa passar por outras avaliações das câmaras baixa e alta, mas o voto marcou um passo significativo para que ele se torne lei.

A iniciativa é amplamente apoiada pelo primeiro-ministro David Cameron, porém, o conservador enfrenta oposição de políticos de seu próprio partido, cuja maioria na casa votou contra.

De acordo com o deputado conservador David Burrowes, a proposta teve negativas de peso, como o do secretário de Meio Ambiente, Owen Paterson, e de David Jones, secretário de Estado para Gales.

"Os gays também devem poder se casar. É uma questão de igualdade, mas também é algo que vai tornar a nossa sociedade mais forte", afirmou Cameron hoje. "É um grande passo à frente para o nosso país, e eu estou orgulhoso de o nosso governo estar dando este passo."

Após essa primeira aprovação, a segunda etapa prevê a discussão na Câmara dos Lordes, que deve votá-la em maio. Depois o projeto volta para uma segunda votação dos parlamentares da câmara aaixa, casa tenha emendas adicionais. De acordo com uma pesquisa de opinião feita em dezembro, 55% dos britânicos são favoráveis ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Mais cedo, pesos pesados do governo britânico se mobilizaram para evitar que uma porção significativa dos deputados conservadores se pronunciassem contra a legalização. A lei, que foi submetida a primeira leitura nesta tarde, contou ainda com o apoio do liberais-democratas e da oposição trabalhista.

Muitos dos conservadores são contra a proposta por razões morais e alegam que o tema pode enfraquecer a legenda e prejudicar as chances de reeleição. No domingo, eles pediram, por meio de carta assinada por mais de 20 lideranças de associações locais, que o voto no parlamento fosse adiado.
Tática "orwelliana"

O parlamentar conservador Roger Gale acusou o governo de usar uma tática “orwelliana” para alterar o sentido da palavra casamento. No livro 1984, de George Orwell, um regime totalitário manipula o sentido das palavras para induzir a população a apoiar medidas draconianas.

Gale sugeriu, em tom de ironia, que o próximo passo seria a legalização do incesto. “Se o governo está levando isso a sério, deveria abolir a lei da união civil, abolir o casamento civil e criar uma nova lei válida para todas as pessoas, independentemente da sua sexualidade e do tipo de relação que elas tenham. Irmão com irmão e irmã com irmã, inclusive”, falou.

A proposta enfrentou ainda a tradicional oposição das igrejas Anglicana e Católica. O projeto não obriga as organizações religiosas a acatarem a mudança e proíbe a igreja anglicana de realizar a cerimônia.

Legalização pelo mundo

A ação ocorre no Reino Unido no momento em que outros países também debatem a questão. Na França, um projeto que legaliza o casamento gay está tramitando no Parlamento e a votação final sobre a medida deve ocorrer na semana que vem.

Nos Estados Unidos, onde Barack Obama se tornou o primeiro presidente a declarar publicamente seu apoio à legalização do casamento gay, uma série de estados já reconhecem essas uniões.

A Holanda se tornou o primeiro país a aprovar a união entre casais de mesmo sexo, em 2011. Cerca de 10 países seguiram o exemplo, incluindo Argentina, Canadá e Espanha.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247