Patriota pede cautela sobre armas na Síria

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, defendeu que se observe com prudência a divulgação de informações sobre o uso de armas químicas contra civis na periferia de Damasco; segundo ele, é necessário aguardar a conclusão dos trabalhos dos peritos da Organização das Nações Unidas 

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, defendeu hoje (21) que se observe com prudência a divulgação de informações sobre o uso de armas químicas contra civis na periferia de Damasco (Síria). Segundo ele, é necessário aguardar a conclusão dos trabalhos dos peritos da Organização das Nações Unidas (ONU), que estão no país verificando a possibilidade de uso de armas químicas para avaliar a situação como um todo.

Porém, Patriota lamentou as suspeitas sobre uso de armas químicas em Ghouta, na região de Damasco, matando pelo menos 100 pessoas nesta quarta-feira. Para o chanceler, o ideal é buscar um acordo na região a partir de uma agenda diplomática desenvolvida pelos integrantes do grupo liderado pelo enviado especial das Nações Unidas e da Liga Áraba à Síria, Lakhdar Brahimi, na chamada Conferência Genebra 2, promovida pela Rússia e pelos Estados Unidos.

O governo brasileiro acompanha a situação na Síria por intermédio de informações do encarregado de negócios no país, o diplomata Bruno Carrilho. O diplomata está em Beirute, capital do Líbano, que faz fronteira com a Síria e envia dados diários ao Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty.

Na imprensa internacional, uma das principais fontes é a organização não governamental (ONG) Observatório Sírio dos Direitos Humanos. A entidade informou hoje sobre o uso de armas químicas contra civis por parte de forças de segurança da Síria. Porém, as autoridades sírias negaram.

As informações vêm à tona no momento em que há um grupo de especialistas em armas químicas, enviado pela ONU ao país. As atividades dos peritos são mantidas sob sigilo absoluto até a publicação do relatório sobre as avaliações feitas na Síria. Não há data para a divulgação do documento.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos pediu à comissão internacional, encarregada de investigar a utilização de armas químicas no conflito sírio, que colabore para permitir o envio de ajuda médica aos locais afetados pelos bombardeios.

Desde o início dos confrontos na Síria, em março de 2011, morreram mais de 100 mil pessoas e aproximadamente 7 milhões de sírios precisam de ajuda humanitária de emergência, de acordo com o balanço da ONU. Os confrontos foram deflagrados pela disputa política entre a oposição e o presidente Bashar Al Assad. Assad que é pressionado a deixar o poder,  mas resiste em abrir mão do governo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email