Pela 1ª vez na história do pós-guerra, Japão planeja desenvolver suas armas ofensivas

O Ministério da Defesa japonês, que passou a ser liderado pelo novo chefe, Itsunori Onodera, em 3 de agosto, vais considerar a hipótese de equipar suas Forças de Autodefesa com armas capazes de atacar bases militares inimigas, comunicou uma edição japonesa

Exército japonês
Exército japonês (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Sputinik

O Ministério da Defesa japonês, que passou a ser liderado pelo novo chefe, Itsunori Onodera, em 3 de agosto, vais considerar a hipótese de equipar suas Forças de Autodefesa com armas capazes de atacar bases militares inimigas, comunicou uma edição japonesa.

É a primeira vez na história japonesa do pós-guerra que a entidade militar do país vai equacionar oficialmente esta questão, ressalta o jornal Nikkei

Em 1956, o primeiro-ministro japonês Ichiro Hatoyama afirmou que a Constituição do país, renunciando à guerra como meio de resolução de conflitos, ao mesmo tempo não exige "ficar esperando até que nos destruam".

A partir daí se tem considerado a possibilidade de efetuar um ataque contra bases inimigas, mas só em caso de não haver outras formas de repelir um ato de agressão.

Entretanto, até hoje o Japão não tem possuído armamentos ofensivos como mísseis intercontinentais, bombardeiros estratégicos ou porta-aviões de ataque.

A questão deve ser considerada até o verão do ano que vem, já que para o fim de 2018 o Ministério da Defesa japonês deve elaborar um programa (para 5 anos) sobre as prioridades defensivas do país.

Será considerada a hipótese de equipar as Forças de Autodefesa japonesas com armamentos capazes de atacar as bases do inimigo com mísseis do tipo Tomahawk a partir de navios militares, com mísseis ar-terra a partir de caças e outros.

O motivo para tal iniciativa foram as manobras norte-coreanas que treinaram ataques contra as bases americanas no Japão, o que provocou uma preocupação extrema por parte de Tóquio. O desenvolvimento posterior dos acontecimentos, inclusive duas provas bem-sucedidas de mísseis balísticos intercontinentais conduzidas por Pyongyang, contribuiu para o conjunto de argumentos usados pelos apoiantes do reforço militar.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247