Perdeu, Folha: Dilma e Merkel agem juntas na ONU

Brasil e Alemanha apresentaram nesta quinta-feira uma proposta de resolução que pede o fim dos excessos na vigilância eletrônica; texto manifesta profunda preocupação com "violações de direitos humanos e abusos que possam resultar da conduta de qualquer vigilância de comunicações, incluindo a vigilância extraterritorial de comunicações"; ação dos governos brasileiro e alemão revela que tentativa da Folha de tornar o governo americano vítima de espionagem brasileira não deu muito certo

Brasil e Alemanha apresentaram nesta quinta-feira uma proposta de resolução que pede o fim dos excessos na vigilância eletrônica; texto manifesta profunda preocupação com "violações de direitos humanos e abusos que possam resultar da conduta de qualquer vigilância de comunicações, incluindo a vigilância extraterritorial de comunicações"; ação dos governos brasileiro e alemão revela que tentativa da Folha de tornar o governo americano vítima de espionagem brasileira não deu muito certo
Brasil e Alemanha apresentaram nesta quinta-feira uma proposta de resolução que pede o fim dos excessos na vigilância eletrônica; texto manifesta profunda preocupação com "violações de direitos humanos e abusos que possam resultar da conduta de qualquer vigilância de comunicações, incluindo a vigilância extraterritorial de comunicações"; ação dos governos brasileiro e alemão revela que tentativa da Folha de tornar o governo americano vítima de espionagem brasileira não deu muito certo (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A Folha de S. Paulo até que tentou igualar atos de espionagem em massa cometidos pelos Estados Unidos com ações de contra inteligência da Abin, ocorridos dez anos atrás, mas não deu muito certo. Nesta quinta, Brasil e Alemanha agiram na ONU contra a violação cometida pelos EUA. Abaixo, relato da Reuters:

Por Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS, 7 Nov (Reuters) - As revelações sobre a espionagem global geraram questões sobre a proteção da privacidade digital que precisarão ser tratadas pela Organização das Nações Unidas (ONU), disseram o Brasil e a Alemanha na quinta-feira ao apresentarem uma proposta de resolução que pede o fim dos excessos na vigilância eletrônica.

O texto manifesta profunda preocupação com "violações de direitos humanos e abusos que possam resultar da conduta de qualquer vigilância de comunicações, incluindo a vigilância extraterritorial de comunicações".

PUBLICIDADE

A proposta não cita países específicos, mas surge depois de o ex-técnico de inteligência norte-americano Edward Snowden ter apresentado detalhes sobre as atividades da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA no mundo todo.

Segundo essas informações, a presidente Dilma Rousseff e a chanceler alemã, Angela Merkel, teriam tido suas comunicações monitoradas, junto com as de milhões de outros cidadãos.

Brasil e Alemanha apresentaram a proposta de resolução ao Terceiro Comitê da Assembleia-Geral da ONU, que trata de questões de direitos humanos. A comissão deve votar a proposta no final do mês, e depois ela deve ser levada ao plenário dos 193 países, em dezembro, segundo diplomatas.

PUBLICIDADE

Mesmo que aprovada, a resolução não terá efeito prático, pois decisões da Assembleia-Geral não são de cumprimento obrigatório.

Falando na quinta-feira ao Terceiro Comitê, o embaixador da Alemanha na ONU, Peter Wittig, disse que "relatos sobre a vigilância maciça de comunicações privadas e a coleta de dados pessoais têm alarmado as pessoas do mundo todo. Elas se fazem uma pergunta legítima: será que o direito delas à privacidade ainda está protegido efetivamente no nosso mundo digital?".

O embaixador do Brasil na ONU, Antonio Patriota, disse na mesma sessão que "a privacidade é a essência da salvaguarda dos indivíduos contra o abuso de poder".

PUBLICIDADE

Segundo ele, "o Brasil acredita ser crucial que a comunidade internacional se envolva em um debate sério e aprofundado sobre como manter certos direitos fundamentais dos seres humanos na era digital, inclusive à luz das preocupações com a segurança nacional e a atividade criminosa", afirmou.

A proposta de resolução ainda deve passar por mudanças durante sua tramitação no Terceiro Comitê. Dez países, inclusive a Coreia do Norte, aceitaram na quinta-feira copatrocinar a resolução, e essa lista ainda pode aumentar.

Na sua forma atual, o texto pede aos países da ONU para que "adotem medidas que coloquem um fim às violações desses direitos e que criem condições para impedir tais violações, incluindo ao garantir que as legislações nacionais relevantes cumpram com suas obrigações conforme as leis internacionais de direitos humanos".

PUBLICIDADE

Além disso, o texto pede que a alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, prepare e divulgue um relatório "sobre a proteção do direito à privacidade no contexto da vigilância doméstica e extraterritorial, inclusive maciça, da sua interceptação e da coleta de dados pessoais".

A missão dos Estados Unidos na ONU disse que vai "avaliar o texto quanto a seus méritos" a partir do momento em que ele circular no Terceiro Comitê, na sexta-feira.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email