Perseguição judicial “virou um método político para se livrar da esquerda”, diz Mélenchon sobre Lula

Filósofo e esquerdista francês Jean-Luc Mélenchon, que nesta quinta-feira (5) irá visitar o ex-presidente Lula, mantido como preso em Curitiba, afirmou que a perseguição judicial “virou um método político para se livrar da esquerda no mundo inteiro”. “Não há nenhum caso no qual se possa desprezar os seres humanos, qualquer que seja sua posição política, isso é insuportável. Mas se esse é o poder que foi capaz de prender Lula, creio que é capaz de tudo”, completou

(Foto: Reuters | Felipe L. Gonçalves/Brasil247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O filósofo e esquerdista francês Jean-Luc Mélenchon, que nesta quinta-feira (5) irá visitar o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, mantido como preso em Curitiba, afirmou que a perseguição judicial “virou um método político para se livrar da esquerda no mundo inteiro”. Mélenchon disse, ainda, esperar poder “entrar e sair do Brasil sem ser preso” após dizer o que pensa sobre Jair Bolsonaro. 

“Não há nenhum caso no qual se possa desprezar os seres humanos, qualquer que seja sua posição política, isso é insuportável. Mas se esse é o poder que foi capaz de prender Lula, creio que é capaz de tudo”, afirmou Mélenchon ao jornal Folha de S. Paulo

“Considero Lula um semelhante, um amigo, uma figura muito importante em nossa família ideológica. Sou um herdeiro de Lula, como toda a nova esquerda europeia é”, disse ainda. Para ele o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, “condenou Lula sem provas e depois se vendeu como um ministro de um governo de ultradireita”. 

O ativista francês também disse não aceitar a “maneira desgraçada” com que Bolsonaro atacou a primeira-dama da França, Brigitte Macron, em meio à polêmica com o presidente francês, Emmanuel Macron, por causa das queimadas na Amazônia. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247