Polícia de Lisboa dispara mais de 40 vezes e mata brasileira por engano

Brasileira identificada como Ivanice Carvalho da Costa, de 36 anos, morreu após ser baleada no pescoço por policiais em Portugal; a polícia confundiu o carro em que ela estava com o utilizado por ladrões que haviam assaltado um caixa eletrônico; assaltantes conseguiram fugir; de acordo com os agentes, o carro onde estava Ivanice não teria parado

Polícia de Lisboa, Portugal
Polícia de Lisboa, Portugal (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Brasileira identificada como Ivanice Carvalho da Costa (36) morreu após ser baleada no pescoço por policiais em Lisboa, capital de Portugal. Policiais teriam confundido o carro em que ela estava com o utilizado por ladrões que haviam assaltado um caixa eletrônico e trocado tiros com das forças de segurança cerca de meia hora antes. Os agentes dispararam mais de 40 vezes contra o veículo.

Segundo o jornal português Correio da Manhã, Ivanice estava em um Renault Mégane preto e não teria obedecido à ordem de parar dada pela polícia, que estava à procura de um Seat Leon, da mesma cor, que havia sido empregado na tentativa de roubo ao caixa eletrônico. Os assaltantes conseguiram fugir.

De acordo com a polícia, o motorista do veículo, identificado como namorado da vítima, "tentou atropelar os policiais e, ato contínuo, estes foram obrigados a disparar". Ivanice residia há cerca de dois anos em Portugal e trabalhava no Aeroporto de Lisboa.
O namorado da brasileira, que não teve o seu nome informado, foi detido por dirigir sem habilitação, desobediência e condução perigosa.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247