Polícia prende centenas de manifestantes durante ocupação do Senado dos EUA contra política migratória de Trump

Quase 600 manifestantes foram presos durante a ocupação de um prédio de escritórios do Senado dos Estados Unidos em Washington nesta quinta-feira (28), quando condenaram com gritos a posição de "tolerância zero" do presidente norte-americano, Donald Trump, sobre imigração ilegal

Quase 600 manifestantes foram presos durante a ocupação de um prédio de escritórios do Senado dos Estados Unidos em Washington nesta quinta-feira (28), quando condenaram com gritos a posição de "tolerância zero" do presidente norte-americano, Donald Trump, sobre imigração ilegal
Quase 600 manifestantes foram presos durante a ocupação de um prédio de escritórios do Senado dos Estados Unidos em Washington nesta quinta-feira (28), quando condenaram com gritos a posição de "tolerância zero" do presidente norte-americano, Donald Trump, sobre imigração ilegal (Foto: Reinaldo)

247, com Reuters - Os manifestantes, em sua maioria mulheres vestidas de branco, estavam sentados no chão de mármore do edifício do Senado e se enrolaram em cobertores de prata, semelhantes àqueles dados a crianças imigrantes separadas de suas famílias por agentes de imigração dos EUA.

Suas palavras de ordem "falem alto, falem claro, imigrantes são bem-vindos aqui" ecoaram pelo prédio, atraindo funcionários do Senado ao mezanino superior, de onde assistiram ao protesto.

A Polícia do Capitólio alertou os manifestantes que seriam presos se não deixassem o prédio. Logo depois, os ativistas foram enfileirados contra uma parede em pequenos grupos e a polícia confiscou seus cobertores e placas.

Demorou cerca de 90 minutos para a polícia prendê-los e encerrar o protesto. A parlamentar Pramila Jayapal, uma democrata, sentou-se com os manifestantes e também foi presa.

Em nota, a Polícia do Capitólio disse que cerca de 575 pessoas foram indiciadas por manifestação ilegal e que seriam processadas no local e soltas. Eles disseram que pessoas que foram acusadas e multadas poderiam pagar 24 horas após sua prisão, mas não ficou claro quem foi multado e em quanto.

As senadoras Mazie Hirono, Tammy Duckworth, Kirsten Gillibrand e o senador Jeff Merkley, democratas que têm criticado as políticas de imigração de Trump, passaram pela polícia e conversaram com algumas das mulheres. Gillibrand levantou uma placa que dizia: "Acabar com detenções agora".

A Marcha das Mulheres, um movimento iniciado quando Trump tomou posse em 2017 e se disseminou mundialmente, pediu às mulheres que corressem o risco de ser presas no protesto desta quinta-feira.

Antes de chegar ao Capitólio, o protesto passou pela avenida Pensylvannia, parando para entoar "Vergonha! Vergonha! Vergonha! diante do Trump International Hotel.

A Marcha das Mulheres é parte de uma onda de ações contra Trump, cuja gestão começou a processar em maio todos os adultos que cruzem a fronteira sem autorização.

Mais de 2.000 crianças que chegaram ilegalmente nos Estados Unidos com parentes adultos foram separadas de suas famílias e colocadas em centros de detenção ou com famílias adotivas nos Estados Unidos.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247