Pompeo: presença russa na América Latina é ameaça 'muito real'

Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que a Rússia está presente na América Latina, especialmente na Venezuela, porque busca se aproximar do sudeste dos Estados Unidos e realizar operações cibernéticas que Moscou não pode dispensar; para ele, a ameaça da presença física da Rússia na América Latina é "muito real" e "é por isso que é tão importante que o povo venezuelano seja bem-sucedido em derrubar [o presidente Nicolás] Maduro"

Pompeo: presença russa na América Latina é ameaça 'muito real'
Pompeo: presença russa na América Latina é ameaça 'muito real' (Foto: REUTERS/Eloisa Lopez)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse nesta quarta-feira que a Rússia está presente na América Latina porque busca se aproximar do sudeste dos Estados Unidos e realizar operações cibernéticas que Moscou não pode dispensar.

"Eles estão aqui na América Latina porque querem ambos, proximidade, então algumas coisas que eles fazem em Cuba e o que eles fazem na Venezuela lhes dá acesso ao sudeste americano e lhes permite operar seus navios, embarcações, aeronaves [...] então dá-lhes pontos logísticos", pontuou Pompeo.

"Isso também lhes dá espaço para realizar operações cibernéticas, ou seja, elas têm acesso a redes que não podem acessar de outros lugares do mundo", acrescentou.

Pompeo fez essas declarações perante o Comitê de Relações Exteriores do Senado também declarou que a ameaça da presença física da Rússia na América Latina é "muito real".

"É por isso que é tão importante que o povo venezuelano seja bem-sucedido em derrubar [o presidente Nicolás] Maduro", advertiu Pompeo.

Mais cedo na quarta-feira, o embaixador russo nas Nações Unidas, Vassily Nebenzia, disse que os Estados Unidos deveriam parar de interferir na Venezuela e em outros Estados e deveriam permitir que as pessoas determinassem seu próprio futuro.

Autoridades russas disseram repetidamente que Moscou não interfere nos assuntos de outras nações, mas desenvolver laços econômicos e outros com os países é seu direito soberano.

A Rússia, juntamente com a China, a Bolívia, a Turquia e várias outras nações, reconhece Maduro como o único líder legítimo da Venezuela.

Já os Estados Unidos e seus aliados reconhecem o líder da oposição, Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela em 23 de janeiro.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247