População ignora toque de recolher e faz novo protesto nos EUA

Centenas de moradores de Charlotte, na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, fizeram passeatas pela terceira noite consecutiva pelas ruas da cidade em protesto pelas circunstâncias que envolveram a morte de Keith Lamont Scott, um homem negro de 43 anos, abatido a tiros pela polícia na última terça-feira; apesar de terem decretado toque de recolher, as autoridades decidiram não obrigar os moradores a voltar para casa, desde que permanecessem nas ruas de forma pacífica e não repetissem os confrontos que marcaram as manifestações anteriores

People run from flash-bang grenades in uptown Charlotte, NC during a protest of the police shooting of Keith Scott, in Charlotte, North Carolina, U.S. September 21, 2016. REUTERS/Jason Miczek
People run from flash-bang grenades in uptown Charlotte, NC during a protest of the police shooting of Keith Scott, in Charlotte, North Carolina, U.S. September 21, 2016. REUTERS/Jason Miczek (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

José Romildo, correspondência da Agência Brasil - Pela terceira noite consecutiva, centenas de moradores de Charlotte, na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, fizeram passeatas ontem (22) pelas ruas da cidade em protesto pelas circunstâncias que envolveram a morte de Keith Lamont Scott, um homem negro de 43 anos, que foi atingido a tiros pela polícia na última terça-feira. Em resposta, as autoridades decretaram toque de recolher, que começou à meia-noite e terminou às 6h de hoje (23).

Apesar do toque de recolher, as autoridades decidiram não obrigar os moradores a voltar para casa, desde que permanecessem nas ruas de forma pacífica. Os manifestantes concordaram com as condições impostas pela prefeita de Charlotte, Jennifer Roberts, e não repetiram os ataques com pedras e garrafas contra policiais, carros e lojas comerciais, como os ocorridos nas duas noites anteriores. Em vez disso, os manifestantes percorreram as ruas entoando as palavras de ordem "sem justiça não há paz", "fim ao terror policial" e "vidas negras importam".

Versões sobre a morte

Eles dizem que não aceitam as explicações da polícia de que Keith Lamont Scott se recusou a largar uma arma que supostamente portava no momento em que foi atingido tiros por policiais. A polícia afirma que tem vídeos que mostram a veracidade da informação. Ontem, em uma entrevista, o chefe da polícia, Kerr Putney, recebeu cobranças de repórteres para mostrar as imagens. Putney, porém, recusou-se a exibir os vídeos, alegando que isso poderia prejudicar as investigações.

A família de Keith Lamont Scott informou ontem, pelas redes sociais, que teve acesso aos vídeos e concluiu que as imagens deixam dúvidas sobre a versão policial de que Keith Lamont Scott estava com uma arma na mão e que se recusou a jogá-la no chão.

Um advogado da família divulgou a seguinte declaração: "Depois de assistir aos vídeos, a família volta a ter mais perguntas do que respostas". Ele disse que as imagens mostram o momento em que, ao ser abordado por policiais, Keith Scott sai de seu carro calmamente sem exibir nenhum gesto agressivo. "É impossível discernir, a partir dos vídeos, o que Scott está segurando em suas mãos", acrescentou o advogado, ao insistir em negar a versão apresentada pela polícia.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247