Portugal cede à pressão dos Estados Unidos e também não terá Huawei nas suas redes de 5G

Oficialmente, a decisão foi tomada pelas empresas – e não pelo governo português – mas é um sinal de alinhamento com a posição estadunidense

Mourão considera difícil banir a Huawei do leilão de 5G.
Mourão considera difícil banir a Huawei do leilão de 5G. (Foto: REUTERS/Dado Ruvic)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik – As maiores operadoras de telecomunicações de Portugal, Meo, Nos e Vodafone, anunciaram que não vão usar tecnologia da Huawei no núcleo de suas redes 5G. 

A medida foi tomada pelas próprias empresas e não tem relação com o governo, que não fez nenhuma restrição ou determinação para que a tecnologia da companhia chinesa não fosse utilizada. 

Segundo a agência Reuters, a Nos disse que "não vai ter equipamentos Huawei no núcleo da rede" e que escolherá os "melhores parceiros" para cada um dos componentes da infraestrutura 5G que está montando. Porta-vozes da Meo e Vodafone também confirmaram a decisão.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação de Portugal, Pedro Nuno Santos, afirmou que o anúncio das operadoras "não tem nada a ver com as opções ou imposições do governo português, que nesta matéria está absolutamente alinhado com a orientação europeia". 

O chefe da pasta disse ainda que um grupo criado pelo governo para riscos e questões de segurança cibernética relacionados à rede 5G concluiu que não havia problemas com nenhum fornecedor em particular. 

Reino Unido e EUA vetaram Huawei

O núcleo das redes 5G, ou seja, a estrutura principal de comunicações, engloba servidores, gateways, equipamentos de segurança e roteadores. 

O Reino Unido e os Estados Unidos, por outro lado, decidiram excluir a Huawei do desenvolvimento da rede 5G. A União Europeia não tem uma posição conjunta firmada sobre a questão.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247