Povo iraniano se revolta e se divide entre o desejo de vingança e o medo de uma guerra sangrenta

Depois do ataque covarde dos EUA, o povo iraniano reagiu de duas maneiras distintas e complementares. Uma parte da população manifestou sua ira contra Donald Trump nas redes sociais ou protestos de rua. Outro parte apresentava medo de o Irã ser jogado em umaguerra violenta contra o império americano

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Depois do ataque covarde dos EUA, o povo iraniano reagiu de duas maneiras distintas e complementares. Uma parte da população manifestou sua ira contra Donald Trump nas redes sociais ou protestos de rua. Outro parte apresentava medo de o Irã ser jogado em umaguerra violenta contra o império americano.

A reportagem do jornal O Globo destaca que "os iranianos buscaram desde a manhã informações sobre a morte de Soleimani, mas pouco encontraram na mídia local. As emissoras de televisão apenas veiculavam homenagens ao comandante. Um canal, por exemplo, mostrou um documentário que mostrava a carreira do militar, com depoimentos do próprio sobre sua participação na Guerra Irã-Iraque, entre outros episódios. Em outro, durante horas, imagens de Soleimani se alternavam, enquanto ao fundo tocava uma melodia triste. Apenas através de sites noticiosos estrangeiros —  bloqueados no Irã e apenas acessíveis com o uso de VPN —  obtinham informações, embora baseadas em fontes de inteligência dos Estados Unidos."

A matéria ainda acrescenta que "o clima mudou na parte da tarde, no entanto, quando autoridades políticas, religiosas e militares começaram a se manifestar publicamente, confirmando do lado iraniano a morte do comandante das Forças Quds. E então começaram as manifestações de solidariedade e homenagens ao comandante morto, partindo de celebridades, cantores, jogadores de futebol e atores e diretores de cinema."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247