Príncipe saudita questiona credibilidade da CIA sobre assassinato de Khashoggi

O príncipe da Arábia Saudita Turki al-Faisal contestou a conclusão da CIA que vinculou o herdeiro do reino, Mohamed bin Salman, ao assassinato do jornalista Jamal Khashoggi; em declarações divulgadas neste domingo (25), Faisal considerou que a Agência Central de Inteligência de Estados Unidos (CIA) não tem o mais alto padrão de credibilidade nas suas avaliações

Príncipe saudita questiona credibilidade da CIA sobre assassinato de Khashoggi
Príncipe saudita questiona credibilidade da CIA sobre assassinato de Khashoggi
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Prensa latina - O príncipe da Arábia Saudita Turki al-Faisal contestou a conclusão da CIA que vinculou o herdeiro do reino, Mohamed bin Salman, ao assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. Em declarações divulgadas neste domingo (25), Faisal considerou que a Agência Central de Inteligência de Estados Unidos (CIA) não tem o mais alto padrão de credibilidade nas suas avaliações.

Segundo o integrante da família real, um dos exemplos mais notórios se observa no informe da CIA sobre as armas de destruição em massa no Iraque, usado como pretexto para a invasão do país árabe que custou dezenas de milhares de vidas.

"Essa foi a mais flagrante das avaliações inexatas e errôneas que levaram à morte a milhares de pessoas", disse.

Pergunto-me, acrescentou, por que a CIA não está sendo julgada nos Estados Unidos? Tal é minha resposta a sua avaliação de quem é ou não culpado e quem fez o quê no consulado em Istambul, apontou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247