Protestos no Egito deixam mais 4 mortos nesta sexta-feira

Polcia lanou bombas de gs lacrimogneo e disparou balas de chumbinho contra manifestantes que jogavam pedras nas ruas do Cairo em manifestao contra as 74 mortesde jogo de futebol na quarta-feira

Protestos no Egito deixam mais 4 mortos nesta sexta-feira
Protestos no Egito deixam mais 4 mortos nesta sexta-feira (Foto: MOHAMED ABD EL GHANY/REUTERS)

A polícia lançou bombas de gás lacrimogêneo e disparou balas de chumbinho contra manifestantes que jogavam pedras nas ruas do Cairo nesta sexta-feira, o segundo dia de violência nas ruas da capital egípcia após o tumulto durante um jogo de futebol, na quarta-feira, que deixou 74 mortos. Somente nesta sexta-feira, quatro pessoas morreram e 1.500 ficaram feridas em todo o país, informaram autoridades.

Os manifestantes responsabilizam a polícia por não ter evitado a briga após o jogo de futebol na cidade mediterrânea de Port Said. O episódio, o pior envolvendo futebol nos últimos 15 anos, se somou à frustração dos egípcios em relação aos generais que governam o país após o levante que derrubou o presidente Hosni Mubarak em fevereiro de 2011.

Nesta sexta-feira, os egípcios tomaram as ruas no Cairo, Alexandria, Suez e várias cidades do delta do rio Nilo. Mas as grandes manifestações ocorreram na capital, onde manifestantes usando capacetes e máscaras de gás abriram caminho pelas ruas cheia de gás lacrimogêneo na direção do Ministério do Interior, alvo frequente de manifestações porque é responsável pela polícia.

Os manifestantes dizem que não querem invadir o prédio, mas realizar uma manifestação pacífica em frente ao edifício.

Muitos manifestantes deram a entender que as autoridades instigaram o episódio de Port Said ou permitiram que a violência ocorresse como forma de retaliação aos torcedores conhecidos como Ultras, que tiveram um papel importante nos confrontos com forças de segurança durante o levante que derrubou Mubarak.

"Eu vim até aqui porque o que aconteceu em Port Said foi um plano político dos militares para dizer que são eles ou o caos", disse Islam Muharram, de 19 anos.

Os confrontos no Cairo começaram na noite de quinta-feira e aumentaram durante a noite. Os manifestantes avançaram pelas barricadas erguidas ao redor do prédio do ministério e derrubaram bloqueios de concreto instalados ao redor do edifício dois meses atrás, logo depois que episódios semelhantes terem deixado mais de 40 manifestantes mortos.

Ambulâncias e voluntários em motocicletas levaram os feridos, a maioria com problemas respiratórios por causa do gás, para o hospital de campo montado na praça Tahir, que fica na proximidades.

Na praça, nesta sexta-feira, milhares de pessoas se reuniram para condenar o fracasso das forças de segurança por não terem impedido o derramamento de sangue em Port Said. Os manifestantes disseram que o incidente prova que os militares têm administrado mal a transição do país para a democracia. Eles também pedem eleições presidenciais antecipadas e exigem que o Exército acelere a transferência de poder para uma administração civil.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247