Putin nomeia EUA entre as ameaças à Rússia

Documento "Sobre a Estratégia de Segurança Nacional da Federação da Rússia", assinado pelo presidente Vladimir Putin na véspera do Ano Novo, define, pela primeira vez, os Estados Unidos como uma das ameaças à segurança nacional da Rússia, sinalizando uma deterioração das relações com o Ocidente nos últimos anos

Documento "Sobre a Estratégia de Segurança Nacional da Federação da Rússia", assinado pelo presidente Vladimir Putin na véspera do Ano Novo, define, pela primeira vez, os Estados Unidos como uma das ameaças à segurança nacional da Rússia, sinalizando uma deterioração das relações com o Ocidente nos últimos anos
Documento "Sobre a Estratégia de Segurança Nacional da Federação da Rússia", assinado pelo presidente Vladimir Putin na véspera do Ano Novo, define, pela primeira vez, os Estados Unidos como uma das ameaças à segurança nacional da Rússia, sinalizando uma deterioração das relações com o Ocidente nos últimos anos (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Vladimir Soldatkin

MOSCOU (Reuters) - Uma nova avaliação define, pela primeira vez, os Estados Unidos como uma das ameaças à segurança nacional da Rússia, sinalizando uma deterioração das relações com o Ocidente nos últimos anos.

O documento "Sobre a Estratégia de Segurança Nacional da Federação da Rússia" foi assinado pelo presidente Vladimir Putin na véspera do Ano Novo. Ele substitui a versão de 2009 aprovada pelo então presidente e atual primeiro-ministro, Dmitry Medvedev, que não havia mencionado nem os Estados Unidos nem a OTAN.

De acordo com o documento, a Rússia conseguiu aumentar o seu papel na resolução dos problemas globais e de conflitos internacionais. Tal destaque, segundo o documento, causou uma reação pelo Ocidente.

"O fortalecimento da Rússia acontece num contexto de novas ameaças para a segurança nacional, que tem natureza complexa e inter-relacionada", diz o documento.

A condução de uma política independente, "tanto nacional quanto internacional", causou a "oposição dos EUA e de seus aliados, que se esforçam para manter o domínio nos assuntos globais."

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247