Relator da ONU pede relaxamento de sanções à Coreia do Norte devido à pandemia

Relator especial da ONU sobre a situação dos direitos humanos na Coreia do Norte, Tomás Ojea Quintana, pediu a avaliação com urgência da suspensão das sanções contra o país devido à pandemia do novo coronavírus

Tomás Ojea Quintana
Tomás Ojea Quintana (Foto: REUTERS/Denis Balibouse)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a situação dos direitos humanos na Coreia do Norte, Tomás Ojea Quintana, pediu à comunidade internacional que cogite com urgência suspender as sanções contra o país, que podem estar piorando os problemas de lockdown impostos pela pandemia do novo coronavírus, de acordo com o esboço de um relatório divulgado nessa quinta-feira (15).

A Coreia do Norte, que não relatou nenhuma infecção confirmada, está sujeita a sanções da ONU desde 2006 por causa de seus programas nuclear e balístico, e nos últimos anos medidas cada vez mais duras foram adotadas.

O país impôs controles fronteiriços rígidos neste ano, em meio a medidas duras contra o novo coronavírus, mas está sofrendo com as sanções e com "problemas econômicos sistêmicos e condições climáticas anormalmente ruins", escreveu Quintana.

Embora as restrições norte-coreanas busquem proteger os direitos de seu povo à vida e à saúde, os lockdowns rigorosos têm um efeito "devastador" no comércio, acrescentou o relator. 

A redução do comércio, por sua vez, ameaça os suprimentos de comida e o acesso à ajuda humanitária, disse ele no relatório, que será submetido à Assembleia-Geral das Nações Unidas na semana que vem.

Diante da situação inédita da pandemia de covid-19, Quintana afirmou que acredita que a responsabilidade internacional de reavaliar o regime de sanções é mais urgente do que nunca.

A implantação maior de sanções começou a "afetar seriamente a economia inteira do país" e tem consequências adversas sobre os direitos econômicos e sociais da população, observou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email