Relatores da ONU criticam governo Bolsonaro por priorizar ‘economia acima da vida’ no combate à Covid-19

Comunicado do Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos ressalta, ainda, que este tipo de política ameaça o “direito à saúde de milhões de brasileiros"

(Foto: Reuters | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo Jair Bolsonaro foi alvo de duras críticas feitas por dois relatores da Organização das nações Unidas (ONU) por colocar a “economia acima da vida” no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. O comunicado do Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos ressalta, ainda, que este tipo de política ameaça o “direito à saúde de milhões de brasileiros”. 

“Não pode se permitir colocar em risco a saúde e a vida da população, inclusive dos trabalhadores da saúde, pelos interesses financeiros de uns poucos. Quem será responsabilizado quando as pessoas morrerem por decisões políticas que vão contra a ciência e o aconselhamento médico especializado?”, destaca o comunicado, segundo reportagem do blog do jornalista Fausto Macedo

Nesta terça-feira (28) o Brasil superou a marca de mais de 5 mil mortes causadas pela Covid-19 e que desde o início da pandemia o governo Jair Bolsonaro insiste na reabertura da economia, a despeito das recomendações das autoridades de saúde. 

Os especialistas também criticaram a emenda constitucional aprovada pelo governo Michel Temer que limita os gastos públicos por um período de 20 anos. “Já é hora de revogar a Emenda Constitucional 95 e outras medidas de austeridade contrárias ao direito internacional dos direitos humanos”, destaca o texto. 

afirmam ser necessário a revogação do teto de gastos, emenda constitucional aprovada no governo Michel Temer (MDB) que limita os gastos públicos por 20 anos. “Os efeitos são agora dramaticamente visíveis na crise atual”, ressalta o comunicado. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247