Resposta tíbia de Trump deixa neonazistas eufóricos nos Estados Unidos

Ao comentar o violento protesto feito por grupos neonazistas e supremacistas brancos, Donald Trump afirmou que condena "a violência de todos os lados", sem indicar concretamente os agressores e autores desta violência; discurso, que não condenou os grupos racistas, foi comemorado por esse segmento; para o jornal The Independent, ao se recusar condenar de modo explícito os recentes protestos da extrema-direita,Trump deu implicitamente seu apoio aos neonazistas, skinheads e membros da Ku Klux Klan

Ao comentar o violento protesto feito por grupos neonazistas e supremacistas brancos, Donald Trump afirmou que condena "a violência de todos os lados", sem indicar concretamente os agressores e autores desta violência; discurso, que não condenou os grupos racistas, foi comemorado por esse segmento; para o jornal The Independent, ao se recusar condenar de modo explícito os recentes protestos da extrema-direita,Trump deu implicitamente seu apoio aos neonazistas, skinheads e membros da Ku Klux Klan
Ao comentar o violento protesto feito por grupos neonazistas e supremacistas brancos, Donald Trump afirmou que condena "a violência de todos os lados", sem indicar concretamente os agressores e autores desta violência; discurso, que não condenou os grupos racistas, foi comemorado por esse segmento; para o jornal The Independent, ao se recusar condenar de modo explícito os recentes protestos da extrema-direita,Trump deu implicitamente seu apoio aos neonazistas, skinheads e membros da Ku Klux Klan (Foto: Giuliana Miranda)

Da Sputnik Brasil

Os neonazistas e aqueles que apoiam ações e visões supremacistas expressaram satisfação pela condenação irresoluta de Donald Trump dos acontecimentos trágicos na cidade norte-americana de Charlottesville, no sábado (12).

Ao recusar condenar de modo explícito os recentes protestos da extrema-direita, ocorridos em Charlottesville, Virgínia, Donald Trump deu implicitamente seu apoio aos neonazistas, skinheads e membros da Ku Klux Klan e outros grupos racistas, de acordo com o jornal The Independent.
Falando sobre estes acontecimentos em um de seus clubes de golf, Trump afirmou que condena "a violência de todos os lados" sem indicar concretamente os agressores e autores desta violência, os grupos supremacistas brancos que incitaram os protestos de sábado.

"Condenamos nos termos mais duros esta demonstração de ódio, intolerância e violência de todas as origens e lados", escreveu o líder norte-americano em seu Twitter, repetindo a frase "de todos os lados".

Donald Trump, uma figura pouco popular e polarizadora nos Estados Unidos, recusou responder às questões de jornalistas se vai dizer explicitamente que a extrema-direita foi responsável pela violência e que o comportamento dos neonazistas que participaram da marcha em Charlottesville foi, no mínimo, ruim.

Os comentários do presidente norte-americano, assim como suas tentativas de não responder, foram recebidas com alegria pela mídia da extrema-direita e por aqueles que assumiram o papel de porta-vozes de neonazistas e supremacistas.

Trump "recusou até mencionar algo que tenha a ver conosco", afirmou um representante de um site neonazista nas redes sociais, acrescentando que "quando os jornalistas estavam gritando para ele sobre o nacionalismo branco, ele simplesmente saiu da sala".

Um dos comentários em um site supremacista diz: "Os comentários de Trump foram bons. Ele não nos atacou. Ele simplesmente disse que a nação precisa se unir. Nada de especial contra nós".

Um ex-membro da Ku Klux Klan, que também participou da marcha antes que essa se tornou violenta, disse que o protesto tinha por objetivo cumprir as promessas da campanha eleitoral de Trump.

"Estamos determinados a reconquistar o controle de nosso país, vamos cumprir as promessas de Donald Trump, foi isso em que acreditamos, foi por isso que votamos a favor de Donald Trump, porque ele disse que vai nos devolver nosso país", disse o neonazista citado pelo portal Gizmodo.com.

Mais tarde, em resposta às críticas a Trump, a porta-voz da casa Branca, Sarah Sanders, afirmou que o presidente norte-americano condenou todas as formas de violência, incluindo "os supremacistas brancos, KKK, neonazistas e todos os grupos extremistas".

Na noite de sábado (12), na cidade de Charlottesville houve confrontações entre neonazistas e seus oponentes que causaram uma morte e deixaram 34 pessoas feridas. Após o confronto, as autoridades do estado da Virgínia declararam o estado de emergência.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247