Rússia diz que EUA declararam guerra ao país. Comercial, por enquanto

Primeiro-ministro russo Dmitry Medvedev afirmou nesta quarta-feira que as mais recentes sanções dos Estados Unidos contra a Rússia são a declaração de uma "guerra comercial" contra o país; "O estabelecimento americano ultrapassou completamente Trump. O presidente não está feliz com as novas sanções, mas não pode deixar de assinar a lei. O novo tópico de sanções surgiu principalmente como outra maneira de mostrar a Trump seu lugar. À frente são novas abordagens, cujo objetivo final é removê-lo do poder", escreveu Medvedev em sua página no Facebook

Presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e dos Estados Unidos, Donald Trump, se reúnem em Hamburgo 07/07/2017 REUTERS/Carlos Barria
Presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e dos Estados Unidos, Donald Trump, se reúnem em Hamburgo 07/07/2017 REUTERS/Carlos Barria (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Sputnik - O primeiro-ministro russo Dmitry Medvedev afirmou nesta quarta-feira que as mais recentes sanções dos Estados Unidos contra a Rússia são a declaração de uma "guerra comercial" contra o país.

Segundo o premiê, as medidas adotadas pelo governo do presidente Donald Trump são "sem sentido", mas o Kremlin irá tomar as medidas necessárias para lidar com elas.

Além disso, Medvedev deu por perdidas as chances de uma melhora das relações entre os dois países, uma vez que avaliou que tais sanções deverão permanecer vigentes "por décadas".

O primeiro-ministro da Rússia avaliou também que a "histeria antirrussa" invadiu a política interna estadunidense, contribuindo para que Trump, dono de um governo "completamente impotente" fosse derrotado nos "jogos políticos internos" praticados pela elite política dos EUA.

"O estabelecimento americano ultrapassou completamente Trump. O presidente não está feliz com as novas sanções, mas não pode deixar de assinar a lei. O novo tópico de sanções surgiu principalmente como outra maneira de mostrar a Trump seu lugar. À frente são novas abordagens, cujo objetivo final é removê-lo do poder", escreveu Medvedev em sua página no Facebook.

Para a Rússia, continuou o primeiro-ministro, a prioridade seguirá sendo "trabalhar de forma constante no desenvolvimento da economia e da esfera social, vamos lidar com a substituição de importações, resolver as tarefas estatais mais importantes, dependendo principalmente de nós mesmos".

"Aprendemos a fazer isso nos últimos anos nas condições dos mercados financeiros quase fechados, e nos receios dos credores e investidores estrangeiros de investir na Rússia devido a sanções contra terceiros. De certa forma, até nos beneficiou, embora as sanções — em geral — não tenham sentido. Nós iremos superar", completou.

Já o Ministério de Relações Exteriores russo destacou que o país se reserva ao direito de responder às sanções norte-americanas, as quais possuem potencial para afetar a "estabilidade mundial".

Ainda de acordo com a pasta, nenhuma medida estadunidense irá alterar a rota do Kremlin na defesa dos seus interesses nacionais, embora o país esteja disposto a cooperar na resolução de questões internacionais.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247