Rússia, Irã e Turquia buscam com a ONU paz viável na Síria

Prosseguem os esforços diplomáticos em busca de uma solução política para o conflito na Síria; porém, Rússia, Irã e Turquia ainda não conseguiram se acertar sobre a composição de um Comitê Constitucional sírio patrocinado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e mas pediram que ele se reúna no início do ano que vem para dar início a um processo de paz viável   

Rússia, Irã e Turquia buscam com a ONU paz viável na Síria
Rússia, Irã e Turquia buscam com a ONU paz viável na Síria

247, com Reuters - A Rússia, o Irã e a Turquia, apoiadores dos principais envolvidos na complexa guerra civil da Síria, ainda não conseguiram se acertar sobre a composição de um Comitê Constitucional sírio patrocinado pela Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira (18), mas pediram que ele se reúna no início do ano que vem para dar início a um processo de paz viável.

Em comunicado conjunto lido pelo ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, depois de o trio se encontrar com o enviado de paz da ONU para a Síria, Staffan de Mistura (foto), em Genebra, as partes disseram que a nova iniciativa deveria se guiar "por um sentimento de concessão e engajamento construtivo".

Os três chanceleres esperavam selar uma proposta conjunta para o comitê, que poderia encaminhar eleições, com o aval da ONU.

Mas o comunicado não mencionou a composição do comitê, ressaltando uma discórdia persistente a respeito das listas de candidatos apresentadas pelo presidente sírio, Bashar al-Assad, e os grupos da oposição.

Falando à mídia estatal de seu país, o chanceler turco, Mevlut Cavusoglu, disse somente que as três potências fizeram "contribuições importantes" para a criação do conselho e que nomes sugeridos foram avaliados.

"A ONU, é claro, fará o trabalho necessário sobre os nomes indicados no processo a seguir", disse Cavusoglu.

Em uma coletiva de imprensa em separado, De Mistura deixou claro que as três potências ainda não equacionaram um fórum político funcional depois de anos de tentativas frustradas de encerrar uma guerra que matou centenas de milhares e deslocou metade da população da Síria.

"Acredito que existe um quilômetro a mais a se percorrer na maratona do esforço de conseguir o pacote necessário para um comitê constitucional crível, equilibrado e inclusivo e para incluir um arranjo equilibrado para a presidência, um organismo redator e um prazo de votação – a ser estabelecido sob os auspícios da ONU em Genebra".

De Mistura, que deixa o cargo em 31 de dezembro depois de quatro anos, vem lutando desde janeiro para firmar um acordo sobre a identidade dos 150 membros do comitê.

Ele disse que dará seu parecer ao secretário-geral da ONU, António Guterres, na quarta-feira e ao Conselho de Segurança da ONU na quinta-feira, e que espera que seu sucessor, Geir Pedersen, capitalize seu trabalho e "se concentre no aspecto puramente político" do encerramento do conflito.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247