Safatle: economias nacionais não existem mais

Filósofo Vladimir Safatle comenta o Brexit e diz que os ingleses descobriram que sair da Comunidade Europeia é impossível; “Por essa razão, a luta pela defesa contra a espoliação econômica não passa pelos Estados nacionais, mas pela politização das decisões econômicas impostas por organismos transnacionais, como a União Europeia, o FMI e o Banco Mundial. Mas faz parte de uma certa gestão da política atual desviar continuamente os eixos reais dos problemas para espaços imaginários"

Filósofo Vladimir Safatle comenta o Brexit e diz que os ingleses descobriram que sair da Comunidade Europeia é impossível; “Por essa razão, a luta pela defesa contra a espoliação econômica não passa pelos Estados nacionais, mas pela politização das decisões econômicas impostas por organismos transnacionais, como a União Europeia, o FMI e o Banco Mundial. Mas faz parte de uma certa gestão da política atual desviar continuamente os eixos reais dos problemas para espaços imaginários"
Filósofo Vladimir Safatle comenta o Brexit e diz que os ingleses descobriram que sair da Comunidade Europeia é impossível; “Por essa razão, a luta pela defesa contra a espoliação econômica não passa pelos Estados nacionais, mas pela politização das decisões econômicas impostas por organismos transnacionais, como a União Europeia, o FMI e o Banco Mundial. Mas faz parte de uma certa gestão da política atual desviar continuamente os eixos reais dos problemas para espaços imaginários" (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Ao comentar o Brexit, o filósofo Vladimir Safatle diz que os ingleses descobriram que sair da Comunidade Europeia é impossível; “O Estado-nação não decide mais nada, mesmo quando ainda tem o controle de sua moeda, como no caso inglês”, afirma.

“Por essa razão, a luta pela defesa contra a espoliação econômica não passa pelos Estados nacionais, mas pela politização das decisões econômicas impostas por organismos transnacionais, como a União Europeia, o FMI e o Banco Mundial. Mas faz parte de uma certa gestão da política atual desviar continuamente os eixos reais dos problemas para espaços imaginários”, acrescenta (leia aqui).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247