Samuel Pinheiro: Eduardo Bolsonaro embaixador vai ser maravilhoso para os EUA

Ex-secretário-geral do Itamaraty comentou em entrevista à TV 247 a indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, à embaixada brasileira nos Estados Unidos; "Um dos grandes objetivos das potências, em especial os Estados Unidos, é abalar o Ministério das Relações Exteriores do outro país. Isso eles estão conseguindo [com o Brasil], com grande brilho, com a nomeação do atual ministro”, disse o embaixador; assista

247 - O embaixador e ex-ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos do Brasil, Samuel Pinheiro Guimarães, falou à TV 247 sobre a indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) pelo presidente Jair Bolsonaro, seu pai, à embaixada brasileira nos Estados Unidos. A indicação tem gerado polêmica e muita discussão no ambiente político.

Ele avalia, ironicamente, que Eduardo Bolsonaro como embaixador seria maravilhoso para os Estados Unidos. “No Brasil você tem vários ministérios. Em geral, todos os ministérios são setoriais, Agricultura, Trabalho, então não tem uma visão geral do país e nem tem contato direto com o estrangeiro. O Ministério das Relações Exteriores é o único que tem o contato com a grande potência, os Estados Unidos, que sabe quais são os interesses deles”.  

“Muitas vezes têm diferenças entre eles e embates poderosos nas discussões e divergências, por quê? Porque é natural, a Alemanha tem diferenças em relação aos Estados Unidos, a França também tem, natural isso, cada país tem seus interesses. Então um dos grandes objetivos das outras potências, em especial dos Estados Unidos, é abalar o Ministério das Relações Exteriores do outro país. Isso eles estão conseguindo, com grande brilho, com a nomeação do atual ministro”, completou o embaixador. 

Ele também disse que o deputado é uma pessoa convencida da superioridade norte-americana. “Já é uma pessoa totalmente convencida da superioridade dos Estados Unidos e do interesse brasileiro em se alinhar aos EUA. Pensa em se alinhar aos Estados Unidos quando os Estados Unidos são um país magnânimo, não em posição subalterna, vão tratar o Brasil com grande respeito, desde que o Brasil faça tudo que eles querem”. 

Questionado se a indicação não pode gerar uma crise no Itamaraty, Samuel avaliou que não, mas revelou que o clima já não é bom desde antes do surgimento do nome de Eduardo Bolsonaro para a embaixada. “O clima no Itamaraty já era péssimo antes da indicação, muito ruim. O clima a partir da nomeação do ministro Ernesto Araújo foi se tornando cada vez pior, pela política, pelas declarações, por exemplo, comparando o presidente Bolsonaro a Jesus Cristo. Nenhum ministro nunca fez isso na história”.   

Vaza Jato  

O embaixador também comentou o vazamento de diálogos que atinge o procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol, que organizava palestras  para ganhar dinheiro às custas de sua posição na operação. “É algo vexatório para quem se diz um combatente contra a corrupção. São pessoas corruptas, no sentido mais amplo da palavra, se aproveitando da sua função para ganhar dinheiro, mas sabem que é ilegal, isso que é interessante. Eles sabem que a lei não permite e, portanto, procuram criar uma empresa no nome das esposas e discutem com as esposas como isso se daria”. 

Samuel Pinheiro Guimarães ainda saiu em defesa da população brasileira dizendo que os brasileiros são honestos. “A população brasileira é muito honesta, muito séria e não é corrupta, corruptos são eles. A população brasileira é trabalhadora, trabalha dia e noite para conseguir um salário, quando consegue um emprego”. 

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra: 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247