Sanções dos EUA e UE contra russos são traque

Entre as sanções estão a proibição de viagens e o congelamento de bens de 21 pessoas da Rússia e da Ucrânia; alvos na primeira fase incluem políticos responsáveis pela organização do referendo de domingo na Crimeia

A woman walks by a poster in the Crimean port city of Sevastopol March 10, 2014. Crimea's parliament, dominated by ethnic Russians, voted to join Russia last week and set a referendum for March 16, escalating the crisis. REUTERS/Baz Ratner (UKRAINE - Tags
A woman walks by a poster in the Crimean port city of Sevastopol March 10, 2014. Crimea's parliament, dominated by ethnic Russians, voted to join Russia last week and set a referendum for March 16, escalating the crisis. REUTERS/Baz Ratner (UKRAINE - Tags (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Adrian Croft e Martin Santa

BRUXELAS, 17 Mar (Reuters) - Os ministros das Relações Exteriores da União Europeia concordaram em impor sanções contra 21 pessoas da Rússia e da Ucrânia nesta segunda-feira, incluindo proibições de viagens e congelamento de bens, disse o chanceler da Lituânia nesta segunda-feira.

Depois de uma reunião com duração de cerca de três horas, os 28 chanceleres da UE rapidamente chegaram a um acordo sobre a lista dos que devem ser sancionados por participação na tomada da Crimeia pela Rússia e do referendo de domingo para separar a península da Ucrânia e se juntar à Rússia.

"O (Conselho dos Relações Exteriores) acaba de concordar com as sanções -- restrições de viagem e congelamento de bens contra 21 autoridades da Ucrânia e Rússia", escreveu Linan Linkevicius em uma mensagem no Twitter.

Ele acrescentou que mais medidas podem ser tomadas dentro de alguns dias, quando líderes da UE vão se encontrar para uma reunião de cúpula em Bruxelas. Os líderes devem expandir a lista para incluir mais autoridades próximas ao presidente russo, Vladimir Putin.

Os alvos na primeira fase de sanções incluem políticos responsáveis pela organização do referendo de domingo na Crimeia, quando 97 por cento dos eleitores decidiram separar a região da Ucrânia para se juntar à Rússia. A UE diz que o referendo foi ilegal e não reconhece o resultado.

Autoridades europeias disseram estar determinadas a pressionar a Rússia por suas ações na Crimeia, com a imposição de sanções, incluindo a proibição de viagens e congelamento de bens dos responsáveis. Os Estados Unidos devem tomar medidas semelhantes também nesta segunda.

Há alguns sinais de que a ameaça de sanções está gerando um impacto na Crimeia e na Rússia.

Autoridades na Crimeia pediram formalmente a anexação à Rússia nesta segunda-feira, e o chefe do Parlamento local disse que seriam dispersadas unidades militares ucranianas na península.

O presidente russo, Vladimir Putin, vai discursar em uma sessão conjunta do Parlamento da Rússia na terça-feira, quando possivelmente a separação será formalizada.

Se isso acontecer, é provável que a UE passe à próxima fase de sanções, logo que líderes se reunirem na quinta-feira, com a expansão da lista de nomes.

Mesmo assim, não está claro se Moscou tem qualquer intenção de recuar ou inverter o curso na Crimeia, e há indícios de que poderia ampliar sua influência em regiões de língua russa do leste da Ucrânia.

A UE disse que vai aumentar ainda mais a pressão das sanções se isso acontecer, incluindo a imposição de restrições comerciais e financeiras de maior alcance sobre a Rússia, como as impostas com sucesso contra o Irã.

Embora constantemente ampliando a ameaça de sanções, a UE também tem incentivado a Rússia a negociar diretamente com a Ucrânia.

Em um sinal de que Putin pode estar se preparando para responder a essas chamadas, a Rússia apoiou nesta segunda a criação de um "grupo de apoio" internacional para mediar a crise. Mas informou que um dos objetivos do grupo seria a Ucrânia reconhecer a secessão da Crimeia, inaceitável tanto para Kiev como para a Europa, os Estados Unidos e a maior parte do mundo.

(Reportagem adicional de Justyna Pawlak, Phil Blenkinsop, Barbara Lewis e Luke Baker em Bruxelas)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email