'Se o processo não for imparcial, a Justiça não pode ser justa', diz ex-juiz da Mãos Limpas

"Se as regras sobre a imparcialidade e do processo não são seguidas, a Justiça não pode ser justa", disse Gherardo Colombo, ex-juiz da operação Mãos Limpas, na Itália, que o ministro Sergio Moro disse se inspirar para atuar na Lava Jato

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Gherardo Colombo, ex-juiz da Mãos Limpas, operação italiana que o agora ministro Sergio Moro diz ter se inspirado para atuar na Lava Jato, falou sobre as revelações trazidas pelo The Intercept.

Questionado sobre como deve ser a comunicação entre um juiz e um procurador durante uma investigação, o ex-procurador das Mãos Limpas disse que "um juiz só pode se comunicar com um procurador formalmente, por meio de documentos oficiais".

As conversas reveladas pela Vaza Jato mostram Moro em um conluio com os procuradores da Lava Jato em que indicava testemunhas a investigadores, orientava sobre o uso de provas e opinava sobre um acordo de delação premiada.

Na entrevista ao site UOL, Colombo disse que, dependendo do conteúdo de conversas privadas mantidas entre juízes e procuradores numa determinada operação, é possível que elas influenciem o resultado de um julgamento.

"Se as regras sobre a imparcialidade e do processo não são seguidas, a Justiça não pode ser justa", disse.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247