Secretário de Estado dos EUA ataca a China e defende golpe militar na Venezuela

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, sugeriu nesta quinta-feira (1º) a possibilidade de um golpe militar na Venezuela, ao lançar a estratégia do governo de Donald Trump para a região; ele afirmou que o "mais fácil" seria se o ditador Nicolás Maduro deixasse o poder e previu que haverá uma "mudança" na Venezuela; "Na história da Venezuela e dos países sul-americanos, às vezes os militares são o agente da mudança quando as coisas estão tão ruins e a liderança não serve ao povo", discursou

www.brasil247.com - Secretário de Estado dos EUA ataca a China e defende golpe militar na Venezuela
Secretário de Estado dos EUA ataca a China e defende golpe militar na Venezuela (Foto: Evan Vucci)


247 - Antes de iniciar sua visita à América Latina, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, sugeriu nesta quinta-feira (1º) a possibilidade de um golpe militar na Venezuela, ao lançar a estratégia do governo de Donald Trump para a região.

O chefe da diplomacia americana afirmou que, embora os EUA não estivessem estimulando uma "mudança de regime" no país, o "mais fácil" seria se o ditador Nicolás Maduro deixasse o poder. Previu que haverá uma "mudança" na Venezuela e disse que os EUA desejam que ela seja pacífica.

"Na história da Venezuela e dos países sul-americanos, às vezes os militares são o agente da mudança quando as coisas estão tão ruins e a liderança não serve ao povo", discursou na Universidade do Texas em Austin, aludindo aos golpes de Estado que ocorreram na região na segunda metade do século 20.

Tillerson também atacou a crescente influência da China e da Rússia na região, advertindo os países latinos sobre o aumento de sua dependência.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Confira abaixo uma reportagem da Sputnik Brasil sobre o assunto:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, mostrou-se preocupado com a crescente influência da Rússia e China na América Latina, advertindo os países da região do aumento de sua dependência.

Na quinta-feira (1), o secretário de Estado dos EUA deu início à viagem semanal pela América Latina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A crescente presença russa na região também causa preocupação, ela continua vendendo armas e equipamentos militares aos regimes inamistosos, que não respeitam valores democráticos como nós. A nossa região deve resistir às forças distantes, que possuem outros valores", declarou Tillerson na Universidade do Texas em Austin.

Ele sublinhou que Washington, em comparação com a Rússia e China, não busca "vantagem imediata", mas quer uma parceria mutualmente vantajosa para a prosperidade do hemisfério ocidental.

Além do mais, Tillerson notou que a China vem propondo para a América Latina "um caminho de desenvolvimento atraente" em troca de bens governamentais, causando, assim, dependência forte a Pequim, dano ao setor de manufatura destes países, redução salarial e aumento da taxa de desemprego. "Na realidade, eles [a China] propõem uma vantagem a curto prazo em troca da dependência a longo prazo", esclareceu o secretário de Estado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A América Latina não precisa de novas forças imperiais, que estão buscando apenas lucrar", disse ele.

Planeja-se que de 1º a 7 de fevereiro o secretário de Estado visite o México, Argentina, Peru, Colômbia e Jamaica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email