Sem mostrar evidências, Trump acusa Google de atos "muito ilegais"

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, intensificou nesta terça-feira acusações contra o Google, alegando, sem oferecer evidências, que a empresa de tecnologia trabalhou para prejudicar sua campanha presidencial de 2016 e alertou que estava vigiando a companhia “muito de perto” antes das eleições de 2020.

Presidente dos EUA, Donald Trump.
Presidente dos EUA, Donald Trump. (Foto: REUTERS/Leah Millis)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, intensificou nesta terça-feira acusações contra o Google, alegando, sem oferecer evidências, que a empresa de tecnologia trabalhou para prejudicar sua campanha presidencial de 2016 e alertou que estava vigiando a companhia “muito de perto” antes das eleições de 2020.

Trump, em uma série de tuítes, também criticou o presidente-executivo do Google, Sundar Pichai, e novamente levantou dúvidas sobre o trabalho da companhia na China.

Trump, que busca a reeleição em 2020, tem criticado repetidamente o Google e uma série de outras empresas de tecnologia, ecoando as alegações de críticos conservadores de que recebe um tratamento injusto e ameaçando impor novas regulamentações sobre o setor.

Nesta terça-feira, Trump acusou o Google de atos “muito ilegais”, mas não ofereceu provas, e nenhuma acusação formal foi feita.

Representantes da Casa Branca não responderam imediatamente a um pedido de comentários sobre quais medidas o governo norte-americano estava tomando contra a empresa. Representantes do Google não puderam ser contatados de imediato.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247