Suprema Corte da Itália mantém pena de Berlusconi

Ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi foi condenado por fraude fiscal, com pena de quatro anos de prisão, diminuída para um ano sob uma anistia

Suprema Corte da Itália mantém pena de Berlusconi
Suprema Corte da Itália mantém pena de Berlusconi
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Roberto Landucci e Barry Moody

ROMA, 1 Ago (Reuters) - A mais alta corte da Itália manteve nesta quinta-feira uma pena de prisão contra o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi por fraude fiscal, em um veredicto que pode jogar a frágil coalizão que governa o país em uma crise.

Depois de três dias de audiência, os cinco juízes da Suprema Corte rejeitaram a apelação final de Berlusconi contra uma decisão de dois tribunais inferiores em Milão, que sentenciaram o magnata da mídia a quatro anos de prisão, diminuída para um ano sob uma anistia.

A corte ordenou, no entanto, que seja realizada uma revisão judicial por um tribunal de Milão da segunda parte de sua sentença, a que proíbe Berlusconi de ocupar cargos públicos por cinco anos pelo mesmo crime. Isso permitirá que ele permaneça senador e líder de seu partido Povo da Liberdade, de centro-direita, no momento.

Ele foi condenado pela compra fraudulenta de direitos de transmissão por seu império de televisão Mediaset.

Foi a primeira condenação definitiva do ex-premiê de 76 anos em até 30 processos judiciais que ele enfrenta por acusações que vão de fraude e corrupção a relações sexuais com uma prostituta menor de idade. Ele acusa magistrados de esquerda de incansavelmente tentar tirá-lo da política desde que surgiu no cenário em 1994.

O veredicto poderá não só acabar com sua dominação de 20 anos da política italiana, mas desestabilizar o governo de três meses do primeiro-ministro, Enrico Letta, e provocar temores em toda a zona euro.

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, apelou ao país que mantenha a calma, após a confirmação da setença de Berlusconi.

"O país precisa redescobrir a serenidade e a coesão em questões institucionais de importância vital que têm por muito tempo deixado o país dividido e incapaz de aprovar reformas", disse Napolitano em comunicado.

Ele disse que houve até agora um clima mais "respeitoso e calmo" do que havia em casos anteriores envolvendo Berlusconi e acrescentou: "Eu acho que isso é positivo para todos."

A terceira maior economia do bloco europeu é governada por uma coalizão inquieta e rebelde formada pelo Partido Democrata, de centro-esquerda, de Letta, e o PDL, de Berlusconi.

O ex-primeiro-ministro tem dito repetidamente que o governo não deve cair qualquer que fosse o veredicto, mas líderes do PDL haviam convocado uma greve em massa de seus ministros e protestos públicos, incluindo bloqueio de rodovias com manifestações, se a condenação fosse mantida.

Os defensores do magnata se reuniram em frente à sua casa em Roma antes do veredicto, causando a interrupção do tráfego.

A maior ameaça ao governo poderia vir de uma facção do PD, cujos membros estão insatisfeitos em integrar a coalizão de governo com o partido de Berlusconi e poderiam se rebelar depois de sua primeira condenação definitiva.

Por causa de sua idade, Berlusconi pode fazer serviço comunitário ou se submeter à prisão domiciliar em vez de ir para a cadeia, mas a sentença não deve começar a ser cumprida até o outono no hemisfério norte, a partir de setembro, por causa de atrasos burocráticos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247