Suspensão do Parlamento provoca tempestade política no Reino Unido

Uma forte tempestade política, acompanhada por ventos de protestos e demissões, desencadeou-se nesta quinta-feira (29) no Reino Unido após a decisão na véspera do primeiro-ministro Boris Johnson de suspender o Parlamento

Parlamento britânico
Parlamento britânico (Foto: Sputnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Prensa Latina - Uma forte tempestade política, acompanhada por ventos de protestos e demissões, desencadeou-se nesta quinta-feira (29) no Reino Unido após a decisão na véspera do primeiro-ministro Boris Johnson de suspender o Parlamento.  

A suspensão, anunciada com a aprovação da rainha Elizabeth II, ocorrerá de 9 de setembro a 14 de outubro, enquanto o país está programado para deixar a União Europeia (UE) em 31 de outubro.  

Segundo Johnson, apesar das cinco semanas de recesso, os parlamentares terão tempo suficiente para discutir o Brexit antes da data prevista para a separação, mas seus oponentes afirmam que a medida visa abrir caminho para uma saída sem acordo.   

Consequentemente, os protestos não esperaram em várias partes do país, incluindo a capital, Londres, onde centenas de pessoas se reuniram já na noite de quarta-feira em frente à sede do Parlamento para denunciar o que designam como golpe de Estado.  

A manifestação foi transferida para a vizinha Downing Street, a residência oficial do primeiro-ministro, e como os próprios manifestantes anunciaram, esse é apenas o começo do que acontecerá nos próximos dias.  

Enquanto isso, uma petição on-line feita contra a suspensão do Parlamento já acumula nesta quinta-feira mais de um milhão e 200 mil assinaturas, menos de 24 horas após ser publicada no site oficial do governo.  

De acordo com os regulamentos, o Executivo deve responder a qualquer reivindicação que exceda 10 mil assinaturas, enquanto o poder legislativo intervém quando existem mais de 100 mil.  

A oposição política no Parlamento, liderada pelo líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, busca, entretanto, maneiras de tentar impedir Johnson, apesar do pouco tempo disponível.  Corbyn, que acusou o primeiro-ministro de ter contornado as normas da democracia britânica, prometeu fazer todo o possível para impedir que o Reino Unido deixasse a UE sem um acordo.  

É um insulto e uma ameaça à nossa democracia, disse Corbyn, que desafiou o chefe do governo conservador a submeter seus planos para o Brexit ao escrutínio público, através de uma eleição geral ou de um novo referendo.  

O chefe do Partido Democrata Liberal, Jo Swinson, também escreveu à rainha para expressar sua discordância com a decisão de Johnson, considerando-a antidemocrática.  Estamos em um momento crucial da história de nosso país, e nosso primeiro-ministro tenta arrogantemente impor um Brexit sem acordo, contra a vontade democrática, disse ele.  

Por seu turno, o presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, considerou um ultraje constitucional, enquanto outros deputados, políticos locais e o público em geral se voltaram para as redes sociais para expressar sua indignação com a  decisão de Johnson, que alguns chamavam de ditador.  

O influente jornal britânico Financial Times publicou um extenso editorial no qual descreve a suspensão do Parlamento como uma afronta à democracia, enquanto exorta os legisladores a aprovarem um voto de censura contra o governo, e convocar uma eleição geral.  

O terremoto político desencadeado por Johnson também afetou o Partido Conservador, com a renúncia do chefe dessa organização na Escócia, Ruth Davidson.  Segundo analistas, a decisão pode custar aos Conservadores pelo menos uma dúzia de assentos, caso as eleições sejam antecipadas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247