Tribunal decide que Harvard responderá processo sobre fotos “horríveis” de escravos

A Suprema Corte de Justiça de Massachusetts citou o “papel horrível e histórico” da Universidade de Harvard

www.brasil247.com -
(Foto: REUTERS/Lucas Jackson)


Por Nate Raymond

BOSTON (Reuters) – A mais alta corte de Massachusetts decidiu, nesta quinta-feira, que a Universidade de Harvard pode ser processada por maltratar uma descendente de escravos que foram forçados a serem fotografados em 1850 para um estudo de um professor que tentava provar a inferioridade do povo negro.

A Suprema Corte de Justiça de Massachusetts decidiu que o “papel horrível e histórico” de Harvard na criação das imagens significava que a universidade tinha o dever de responder com cuidado aos pedidos de Tamara Lanier por informação sobre as mesmas, o que, segundo ela, a universidade não fez.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas o tribunal afirmou que a universidade não precisa entregar as fotos a Lanier, concluindo que, apesar das circunstâncias “escandalosas”, a mulher de Connecticut não tem direito de propriedade sobre elas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A decisão parcialmente ressuscita um processo que Lanier iniciou em 2019. Lanier e seus advogados, Ben Crump e Josh Koskoff, disseram em um comunicado conjunto que a decisão “histórica” permitiria que ela “continuasse esta batalha legal e moral por Justiça”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Harvard, sediada em Cambridge, Massachusetts, disse que estava analisando a decisão.

As imagens mostram Renty Taylor e sua filha Delia, escravos em uma plantação da Carolina do Norte que foram forçados a se despir para as fotos tiradas para um estudo racista do professor de Harvard Louis Agassiz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O juíz Scott Kafker escreveu que Harvard havia “descaradamente” descartado as alegações de Lanier sobre um vínculo ancestral e desconsiderou seus pedidos por informação sobre como estava usando as imagens, incluindo quando a universidade usou a foto de Renty na capa de um livro.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email