CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tribunal decide que Harvard responderá processo sobre fotos “horríveis” de escravos

A Suprema Corte de Justiça de Massachusetts citou o “papel horrível e histórico” da Universidade de Harvard

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por Nate Raymond

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

BOSTON (Reuters) – A mais alta corte de Massachusetts decidiu, nesta quinta-feira, que a Universidade de Harvard pode ser processada por maltratar uma descendente de escravos que foram forçados a serem fotografados em 1850 para um estudo de um professor que tentava provar a inferioridade do povo negro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Suprema Corte de Justiça de Massachusetts decidiu que o “papel horrível e histórico” de Harvard na criação das imagens significava que a universidade tinha o dever de responder com cuidado aos pedidos de Tamara Lanier por informação sobre as mesmas, o que, segundo ela, a universidade não fez.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DAS RECOMENDAÇÕES

Mas o tribunal afirmou que a universidade não precisa entregar as fotos a Lanier, concluindo que, apesar das circunstâncias “escandalosas”, a mulher de Connecticut não tem direito de propriedade sobre elas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A decisão parcialmente ressuscita um processo que Lanier iniciou em 2019. Lanier e seus advogados, Ben Crump e Josh Koskoff, disseram em um comunicado conjunto que a decisão “histórica” permitiria que ela “continuasse esta batalha legal e moral por Justiça”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Harvard, sediada em Cambridge, Massachusetts, disse que estava analisando a decisão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As imagens mostram Renty Taylor e sua filha Delia, escravos em uma plantação da Carolina do Norte que foram forçados a se despir para as fotos tiradas para um estudo racista do professor de Harvard Louis Agassiz.

O juíz Scott Kafker escreveu que Harvard havia “descaradamente” descartado as alegações de Lanier sobre um vínculo ancestral e desconsiderou seus pedidos por informação sobre como estava usando as imagens, incluindo quando a universidade usou a foto de Renty na capa de um livro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE