Trump diz que só se declarará vencedor quando “houver vitória, se houver vitória”

Em entrevista ao canal Fox, o presidente dos EUA, Donald Trump, voltou a por em suspeição o resultado das eleições presidenciais. “Quando houver vitória. Se houver vitória. Acho que teremos vitória, mas só quando houver vitória", afirmou

Donald Trump e Joe Biden durante debate em Cleveland 29/09/2020
Donald Trump e Joe Biden durante debate em Cleveland 29/09/2020 (Foto: REUTERS/Brian Snyder)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em entrevista ao canal de TV Fox News, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que só pretende se declarar vitorioso nas eleições quando “houver vitória, se houver vitória”.

“Quando houver vitória. Se houver vitória. Acho que teremos vitória, mas só quando houver vitória. Não há nenhuma razão para joguinhos”, disse o presidente. 

Trump continuou: “Eu olho pra isso [a disputa presidencial], como sendo alguém com uma chance muito, muito sólida de ganhar. Eu não sei como eles avaliam as chances, acho que tem muito a ver com o tamanho da multidão”.

Leia também reportagem da agência Reuters sobre as eleições presidenciais nos Estados Unidos:

WILMINGTON, Delaware/WASHINGTON (Reuters) - Os norte-americanos depositavam nesta terça-feira os votos após uma corrida presidencial agressiva entre o presidente, Donald Trump, e seu desafiante, Joe Biden, ao final de quatro anos tumultuados sob o comando do empresário transformado em político, que deixou os Estados Unidos mais profundamente divididos do que em qualquer momento da história recente.

Os eleitores fizeram fila em zonas eleitorais de todo o país em meio à pandemia de coronavírus, que transtornou o cotidiano. Biden, ex-vice-presidente democrata que já está na vida pública há meio século, vem mantendo uma liderança forte e constante em pesquisas de opinião nacionais.

Mas o republicano Trump está próximo o suficiente em vários Estados-chave para amealhar os 270 votos estaduais do Colégio Eleitoral de que precisa para vencer a eleição.

Trump tenta evitar se tornar o primeiro presidente a perder uma reeleição desde George H.W. Bush em 1992. É possível que dias se passem até o resultado ser conhecido, especialmente se contestações legais centradas nos votos pelo correio forem aceitas no caso de uma disputa acirrada.

Entre os eleitores, havia uma sensação de inquietação e receio com possíveis tumultos após uma campanha de retórica inflamada. Edifícios foram cobertos com tábuas por precaução contra possíveis protestos, inclusive em Washington e na cidade de Nova York. Uma nova cerca foi erguida ao redor da Casa Branca.

As urnas abriram em alguns Estados do leste às 6h. Os resultados acompanhados mais atentamente começarão a surgir depois das 19h (21h no horário de Brasília), quando as zonas eleitorais fecham em Estados como a Geórgia.

Biden fez mais um evento na manhã desta terça-feira no Estado crucial da Pensilvânia. Usando um megafone para se dirigir a apoiadores de Scranton, sua cidade-natal, Biden retomou alguns temas de campanha familiares, prometendo unir os norte-americanos e “devolver uma decência e uma honra básicas à Casa Branca”.

Ao aparecer na rede Fox News na manhã desta terça-feira, Trump disse que as multidões que viu na segunda-feira, o último dia frenético da campanha, lhe deram a confiança de que vencerá.

“Temos multidões que ninguém nunca viu antes”, disse ele, que foi criticado pelos democratas por realizar comícios ignorando as recomendações de distanciamento social durante a pandemia.

Os eleitores também decidirão qual partido político controla o Congresso dos EUA nos próximos dois anos. Os democratas tentam reconquistar uma maioria no Senado, e devem manter o comando da Câmara dos Deputados.

Trump busca mais quatro anos no cargo após um primeiro mandato caótico, marcado pela crise do coronavírus, uma economia abalada pelas interdições da pandemia, uma tentativa de impeachment, inquéritos sobre uma suposta interferência russa na eleição, tensões raciais e política imigratórias polêmicas.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247