Trump quer aumentar taxa de visto de mexicanos para financiar muro

O candidato à presidência dos Estados Unidos pelo Partido Republicano Donald Trump pretende aumentar a taxa para concessão de vistos a mexicanos e para todos os cartões de travessia de fronteira como parte de um plano mais amplo para forçar o México a pagar por um muro ao longo da fronteira entre os dois países

Pré-candidato à Presidência dos EUA Donald Trump. 16/06/2015  REUTERS/Brendan McDermid
Pré-candidato à Presidência dos EUA Donald Trump. 16/06/2015 REUTERS/Brendan McDermid (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O candidato à presidência dos Estados Unidos pelo Partido Republicano Donald Trump pretende aumentar a taxa para concessão de vistos a mexicanos e para todos os cartões de travessia de fronteira como parte de um plano mais amplo para forçar o México a pagar por um muro ao longo da fronteira entre os dois países.

Trump, favorito para ganhar a indicação republicana em meio a vários candidatos, fez da imigração um tópico central em sua campanha. No programa "De Cara com a Imprensa", da NBC, ele disse que irá deportar todos os imigrantes sem documento e rescindir com as normas de imigração de Barack Obama.

As normas, caso aprovadas, irão proteger da deportação cerca de 5 milhões de imigrantes sem documento.

Em artigo divulgado neste domingo, Trump afirmou que vai aumentar as taxas sobre os vistos temporários para executivos e diplomatas mexicanos, além de trabalhadores da Nafta (Tratado Norte-Americano do Livre Comércio), caso o México não concorde em pagar pela construção do muro.

O Tratado Norte-Americano do Livre Comércio eliminou, em 1994, várias tarifas e outras barreiras para estimular o livre comércio e investimentos entre Estados Unidos, Canadá e México. E também permite o ingresso além-fronteira, ainda que temporário, de executivos dentro da região.

Trump disse que também iria confiscar todos os pagamentos de remessas derivadas de salários ilegais e aumentar as taxas nos portos de entrada do México. Cortes na ajuda financeira aos mexicanos e novas tarifas também seriam considerados.

"O governo do México tirou muito dinheiro dos EUA", disse. "Eles são responsáveis por esse problema, então devem ajudar a pagar para limpá-lo."

Trump começou sua campanha em junho dizendo que o México está mandando criminosos e estupradores para os EUA. O comentário gerou reações raivosas de grupos de defesa dos direitos civis de latinos e outros.

Em seu mais novo comunicado de campanha, Trump afirmou que irá triplicar o número de agentes da polícia imigratória (ICE, na sigla em inglês), custeando esse aumento com a eliminação de pagamentos de crédito tributário a imigrantes ilegais.

Ele também pretende aumentar as penalidades para pessoas que excedem o período de seus vistos e acabar com a política de dar cidadania norte-americana automática aos filhos dos imigrantes ilegais.

Pessoas com a intenção de entrar nos EUA deverão se certificar de que podem pagar por sua própria residência, plano de saúde e outras necessidades, disse Trump, que também vai aumentar a exigência para a admissão de refugiados e asilados políticos. 

Trump também pretende interromper a concessão de "green cards" por um período, de forma que os empregadores possam contratar pessoas do "grupo" doméstico de desempregados atuais.

"Isto irá ajudar a reverter a queda na taxa de participação das mulheres no mercado de trabalho, os salários crescerão e os níveis de imigração diminuirão para médias históricas mais moderadas", afirmou.

A eleição presidencial será realizada em 2016.

(Por Toni Clarke)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email