Unasul convoca reunião de emergência sobre Venezuela

Encontro ocorre nesta quinta em Lima, no Peru; os governos de Brasil, Peru, Equador, Colômbia, Bolívia e Argentina, entre outros, reconheceram a vitória de Nicolás Maduro, mas os Estados Unidos não

Unasul convoca reunião de emergência sobre Venezuela
Unasul convoca reunião de emergência sobre Venezuela
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

LIMA (Reuters) - Vários presidentes da América do Sul vão realizar uma reunião de emergência na quinta-feira em Lima para discutir a crise política na Venezuela, após a disputada eleição do presidente Nicolás Maduro, afirmou nesta quarta-feira a chancelaria peruana.

Altos funcionários do governo não disseram se a reunião estava sendo realizada como uma demonstração de apoio a Maduro, ou se os líderes regionais querem emitir um chamado coletivo de calma à Venezuela, onde protestos irromperam desde a vitória apertada de Maduro por menos de 2 pontos percentuais.

Maduro, o sucessor do falecido ex-presidente Hugo Chávez, será empossado na sexta-feira.

Os governos de Brasil, Peru, Equador, Colômbia, Bolívia e Argentina, entre outros, reconheceram a vitória de Maduro, mas os Estados Unidos não. A União Europeia, por sua vez, disse que estava "preocupada com a crescente polarização da sociedade venezuelana".

A reunião será realizada sob a égide do grupo regional Unasul na quinta-feira à noite em Lima, disseram autoridades de alto escalão do governo. O Peru detém a Presidência rotativa do grupo. Observadores eleitorais da Unasul disseram que a vitória de Maduro foi legítima.

Os presidentes de Peru, Uruguai, Argentina, Colômbia e Brasil vão participar da reunião e outros líderes também podem participar, disseram autoridades.

A maioria dos líderes, incluindo a presidente Dilma Rousseff, viajará em seguida à Venezuela para a cerimônia de posse de Maduro, em Caracas.

O resultado da votação presidencial de domingo foi rejeitado pelo candidato da oposição, Henrique Capriles, que denunciou milhares de irregularidades nos centros de votação e exigiu uma auditoria completa dos votos.

Oito pessoas morreram nos protestos liderados pela oposição. O governo acusou Capriles de incitação à violência, o que ele negou.

(Reportagem de Marco Aquino, em Lima; de Brian Winter e Guido Nejamkis, em Buenos Aires)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247