Vaticano anuncia reconhecimento do Estado Palestino

Vaticano anunciou nesta quarta-feira, 13, que vai reconhecer o Estado palestino e defender a solução de dois Estados para a resolução do conflito com Israel; no marco das relações entre Vaticano e Palestina, o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, será recebido em audiência pelo papa Francisco no próximo sábado, 16, véspera da canonização de duas freiras nascidas em território palestino antes da criação do Estado de Israel; governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou estar "desapontado" pela decisão do Vaticano

Vaticano anunciou nesta quarta-feira, 13, que vai reconhecer o Estado palestino e defender a solução de dois Estados para a resolução do conflito com Israel; no marco das relações entre Vaticano e Palestina, o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, será recebido em audiência pelo papa Francisco no próximo sábado, 16, véspera da canonização de duas freiras nascidas em território palestino antes da criação do Estado de Israel; governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou estar "desapontado" pela decisão do Vaticano
Vaticano anunciou nesta quarta-feira, 13, que vai reconhecer o Estado palestino e defender a solução de dois Estados para a resolução do conflito com Israel; no marco das relações entre Vaticano e Palestina, o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, será recebido em audiência pelo papa Francisco no próximo sábado, 16, véspera da canonização de duas freiras nascidas em território palestino antes da criação do Estado de Israel; governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou estar "desapontado" pela decisão do Vaticano (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Opera Mundi - O Vaticano anunciou nesta quarta-feira (13/04) que vai reconhecer o Estado palestino e defender a solução de dois Estados para a resolução do conflito com Israel. O texto com a decisão, que ainda será assinado, pretende ajudar no reconhecimento de uma Palestina “independente”.

Israel, por sua vez, afirmou estar "desapontado" pela decisão do Vaticano, como afirmou o Ministério das Relações Exteriores. Para o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o acordo com os palestinos "não contribui para levar a Palestina para a mesa de negociações" pela paz.

No marco das relações entre Vaticano e Palestina, o presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas, será recebido em audiência pelo papa Francisco no próximo sábado (16/05), na véspera da canonização de duas freiras nascidas em território palestino antes da criação do Estado de Israel.

Ainda não há prazo para que o texto — fruto de um acordo entre a Santa Sé e a OLP (Organização para a Libertação da Palestina) em 2000 — seja firmado, mas o Vaticano fala que isso ocorrerá em um “futuro próximo”. Segundo o comunicado da Santa Sé, o acordo fala sobre fomentar as bases para o funcionamento da religião católica no território.

O subsecretário do Vaticano para as Relações com os Estados, Antoine Camilleri, disse ao jornal L'Osservatore Romano que "seria positivo" que o acordo "pudesse ajudar" a "estabelecer e reconhecer um Estado Independente da Palestina, soberano e democrático".

"Esta seria uma bela contribuição para paz e estabilidade em uma região que há tanto tempo esteve assolada por conflitos, e por parte da Santa Sé e da Igreja local desejamos colaborar em um caminho de diálogo e de paz", acrescentou Camilleri.

Antecedentes

"A discussão é fruto do acordo base entre a Santa Sé e a OLP (Organização para a Libertação da Palestina), firmado em 15 de fevereiro de 2000.

O relacionamento oficial entre a Santa Sé e a OLP foi estabelecido em 26 de outubro de 1994 e, em seguida, foi constituída uma comissão bilateral permanente de trabalho que levou à aprovação do acordo de 2000", explicou Camilleri a L'Osservatore Romano.

As negociações dessa etapa do acordo começaram a ser travadas em 2010, após a visita do então papa Bento XVI à Terra Santa, em 2009.

Camilleri também se referiu à adoção, em 29 de novembro de 2012, da resolução das Nações Unidas que reconheceu a Palestina como Estado observador não-membro. "No mesmo dia a Santa Sé, que também tem o estatuto de observador na ONU, publicou uma declaração que fazia referência à solução dos 'dois Estados'", afirmou.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247