Venezuela detém comerciantes por não cumprir "preços justos"

Segundo Luís Mota Domínguez, intendente da Proteção dos Direitos Socioeconômicos da Venezuela, as detenções ocorreram no âmbito da nova "ofensiva econômica" lançada pelo governo do presidente Nicolás Maduro

Segundo Luís Mota Domínguez, intendente da Proteção dos Direitos Socioeconômicos da Venezuela, as detenções ocorreram no âmbito da nova "ofensiva econômica" lançada pelo governo do presidente Nicolás Maduro
Segundo Luís Mota Domínguez, intendente da Proteção dos Direitos Socioeconômicos da Venezuela, as detenções ocorreram no âmbito da nova "ofensiva econômica" lançada pelo governo do presidente Nicolás Maduro (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

*Da Agência Brasil - Quatro comerciantes foram detidos nos últimos dois dias pelas autoridades venezuelanas por não cumprir os preços máximos de venda ao público fixados pelo Executivo. Segundo Luís Mota Domínguez, intendente da Proteção dos Direitos Socioeconômicos da Venezuela, as detenções ocorreram no âmbito da nova "ofensiva econômica" lançada pelo governo do presidente Nicolás Maduro.

Em entrevista, Domínguez explicou que três das detenções foram executadas em Cátia, a oeste de Caracas, e a outra em um matadouro de Santa Lucía, no estado de Miranda, ao sul da capital.

Ele informou que o estabelecimento Mundo de la Carne vendia frango a um preço superior ao valor fixado pelo Executivo, por indicação do fornecedor. Uma investigação sobre o caso levou à quarta detenção. Fontes da comunidade portuguesa na Venezuela disseram que o Mundo de la Carne é propriedade de empresários portugueses radicados no país.

Funcionários do Estado venezuelano - 1130 - estão atuando na fiscalização do comércio. São inspecionados alimentos, eletrodomésticos, vestuário e automóveis.

*Com informações da Agência Lusa

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247