Venezuela nega ter sido suspensa do Mercosul

Ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodriguez, usou sua conta pessoal no Twitter para negar que o país tenha sido suspenso do Mercosul pelos demais estados-membros (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai); país teria sido suspenso por descumprir compromissos assumidos quando se incorporou ao bloco, em 2012; "Essa notificação não existe", escreveu; ministra afirmou, ainda, que a suposta decisão foi um "ato irritante" que a Venezuela não reconhece e que é iniciativa de "algumas pessoas que estão destruindo o Mercosul"

Ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodriguez, usou sua conta pessoal no Twitter para negar que o país tenha sido suspenso do Mercosul pelos demais estados-membros (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai); país teria sido suspenso por descumprir compromissos assumidos quando se incorporou ao bloco, em 2012; "Essa notificação não existe", escreveu; ministra afirmou, ainda, que a suposta decisão foi um "ato irritante" que a Venezuela não reconhece e que é iniciativa de "algumas pessoas que estão destruindo o Mercosul"
Ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodriguez, usou sua conta pessoal no Twitter para negar que o país tenha sido suspenso do Mercosul pelos demais estados-membros (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai); país teria sido suspenso por descumprir compromissos assumidos quando se incorporou ao bloco, em 2012; "Essa notificação não existe", escreveu; ministra afirmou, ainda, que a suposta decisão foi um "ato irritante" que a Venezuela não reconhece e que é iniciativa de "algumas pessoas que estão destruindo o Mercosul" (Foto: Paulo Emílio)

Alex Rodrigues, repórter da Agência Brasil - A ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodriguez, usou sua conta pessoal no Twitter para negar que o país tenha sido suspenso do Mercosul pelos demais estados-membros (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai).

Segundo a chanceler, são falsas as notícias de que o país foi suspenso por descumprir compromissos assumidos quando se incorporou ao bloco regional, em 2012. O prazo para que o governo venezuelano atendesse às exigências do bloco terminou no começo do mês, após ser prorrogado, em setembro deste ano. Entre os compromissos assumidos estão o respeito aos direitos humanos e a garantia à livre circulação de mercadorias entre os países do Mercosul.

"Essa notificação não existe", escreveu Delcy, referindo-se a um aviso sobre a exclusão da Venezuela do bloco. Pouco depois, a ministra afirmou que a suposta decisão foi um "ato irritante" que a Venezuela não reconhece e que é iniciativa de "algumas pessoas que estão destruindo o Mercosul".

Delcy afirma que a Venezuela seguirá participando das reuniões do Mercosul, com direito a voz e voto, e que pretende assumir legitimamente a presidência do bloco. O país deveria assumir a presidência pró-tempore em julho passado, mas, diante das controvérsias e da ameaça de ser suspensa, foi impedido de assumir. Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai decidiram então que se revezariam no posto.

A informação de que a Venezuela foi suspensa ganhou ampla repercussão depois que agências de notícias estrangeiras veicularam a notícia, atribuindo a informação a fontes ligadas aos governos brasileiro e argentino. Segundo essas mesmas agências, a decisão do bloco ainda não foi oficialmente anunciada porque Caracas ainda não recebeu a notificação.

Procurado para comentar o assunto, o Itamaraty não respondeu à Agência Brasil.

Ontem (1º), poucas horas antes dos representantes dos demais países-membros se reunirem para discutir a possível suspensão da Venezuela, a chancelaria venezuelana já tinha recorrido às instâncias mediadoras de conflito do Mercosul. A ministra Delcy Rodriguez explicou o recurso como um pedido para que "os países que violam instituições do Mercosul se abstenham de qualquer ação contra o nosso país".

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247