Violência aumenta em Israel após assassinato de jovem negro etíope

Manifestantes entraram em confronto com a polícia em Israel após o funeral do adolescente etíope Soloman Tekah, 19 anos, morto a tiros por um policial de folga no último domingo (30), em Haifa

Soloman Tekah, adolescente etíope assassinado em Israel
Soloman Tekah, adolescente etíope assassinado em Israel (Foto: Reuters e Reprodução Facebook)

247 -  Manifestantes entraram em confronto com a polícia em Israel após o funeral do adolescente etíope Soloman Tekah, 19 anos, morto a tiros por um policial de folga no último domingo (30), em Haifa, informa a BBC.

Revoltados, nos dias 1 e 2 de julho milhares de jovens da comunidade etíope saíram às ruas de cidades como Haifa, Tel Aviv e Jerusalém para protestar contra o assassinato de Soloman, o que resultou, até o momento, em 136 prisões, segundo o Sputnik. "Os protestos se tornaram especialmente violentos em 2 de julho, após o funeral de Soloman Tekah", diz a reportagem.


"Dezenas de milhares de judeus etíopes foram levados para Israel nos anos 1980 e 1990, e dizem que enfrentaram discriminação sistemática, racismo e falta de empatia por suas dificuldades", conta a BBC.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, reconheceu que a comunidade etíope enfrenta "problemas", mas disse aos manifestantes para não bloquearem as estradas. 

O policial que atirou em Solomon foi colocado em prisão domiciliar e interrogado.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247