Zelensky sinaliza mudanças no governo ucraniano após demissão de ministro por corrupção

A polícia anticorrupção ucraniana disse no domingo que deteve o vice-ministro da Infraestrutura sob suspeita de recebimento de uma propina de US$ 400.000

www.brasil247.com -
(Foto: Gabinete de Imprensa Presidencial da Ucrânia)


247 - O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse nesta segunda-feira (23) que mudanças serão anunciadas em breve no governo, nas regiões e nas forças de segurança após alegações de corrupção quase um ano após a invasão russa.

Zelensky, eleito por maioria esmagadora em 2019 com promessas de mudar a forma como o governo operava, não identificou em seu pronunciamento em vídeo diário os funcionários a serem substituídos.

"Já existem decisões de pessoal --algumas hoje, outras amanhã-- sobre funcionários de vários níveis em ministérios e outras estruturas do governo central, bem como nas regiões e no sistema de aplicação da lei", disse Zelensky.

O presidente disse que parte da repressão envolveria endurecer a supervisão de viagens ao exterior para missões oficiais.

Os meios de comunicação ucranianos informaram que vários ministros e altos funcionários podem ser demitidos enquanto Zelensky tenta simplificar o governo.

Um dos principais aliados do presidente disse anteriormente que funcionários corruptos seriam presos "ativamente", estabelecendo uma abordagem de tolerância zero depois que as acusações vieram à tona.

A polícia anticorrupção ucraniana disse no domingo que deteve o vice-ministro da Infraestrutura sob suspeita de recebimento de uma propina de US$ 400.000 para facilitar a importação de geradores para a Ucrânia durante a guerra em setembro passado.

Um comitê do parlamento concordou na segunda-feira em endurecer os regulamentos sobre compras após alegações em reportagens de que o Ministério da Defesa havia comprado  fornecedores em excesso de alimentos para soldados. 

O ministro da Defesa, Oleksiy Reznikov, citado pela mídia, disse ao comitê que os relatórios foram baseados em um "erro técnico".

O Bureau Nacional Anticorrupção disse estar ciente das reportagens na mídia e que está investigando o possível crime de apropriação de fundos ou abuso de poder em relação a aquisições no valor de mais de 13 bilhões de hryvnia (US$ 352 milhões).

David Arakhamia, chefe do partido Servo do Povo, o mesmo de Zelensky, disse que ficou claro desde a invasão da Rússia que as autoridades deveriam "se concentrar na guerra, ajudar as vítimas, desburocratizar e interromper negócios duvidosos".

"Muitos deles entenderam a mensagem. Mas muitos deles, infelizmente, não. Nós definitivamente estaremos prendendo ativamente nesta primavera. Se a abordagem humana não funcionar, faremos isso de acordo com a lei marcial", ele disse.

Timofiy Mylovanov, ex-ministro da economia, comércio e agricultura, elogiou a resposta "proativa e muito rápida" do governo às alegações. Ele disse que o vice-ministro da infraestrutura foi demitido imediatamente e apontou o nível de atenção "sem precedentes" da sociedade no assunto.

A Ucrânia, cuja economia encolheu um terço no ano passado, é extremamente dependente da ajuda financeira ocidental. Doadores como o Fundo Monetário Internacional e a UE pediram repetidamente por mais transparência e melhor governança.

A corrupção é um forte fenômeno na Ucrânia desde muito antes de a Rússia lançar sua invasão no final de fevereiro. Em julho do ano passado, o Departamento de Estado dos Estados Unidos alertou que a soberania e democracia da Ucrânia estariam ameaçadas por fatores internos, chamando a atenção para a corrupção. 

A chancelaria russa acusa a o Ocidente de fechar os olhos para a corrupção ucraniana ao fornecer armas ao país, que muitas vezes ressurgem em outros locais na Europa e reabastecem os arsenais do crime organizado. 

Analistas apontam que não há nenhum processo de auditoria em vigor para as dezenas de bilhões de dólares em assistência militar autorizadas à Ucrânia. (Com agências). 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247