Biodiversidade amazônica. Fernanda Werneck ganha Prêmio Internacional Mulheres na Ciência

Única pesquisadora brasileira agraciada com o prêmio internacional Mulheres na Ciência, edição 2017, promovido pela L’Oréal Brasil em parceria com a Organização das Nações Unidas (UNESCO), Fernanda Werneck trabalha para entender como, geneticamente, os biomas do Amazonas e do Cerrado se desenvolveram para, juntos, criarem uma biodiversidade incrível e gigantesca. O trabalho também visa entender como a transição de biodiversidade se dá entre os dois maiores biomas do Brasil e como as mudanças climáticas ameaçam esse processo.

Única pesquisadora brasileira agraciada com o prêmio internacional Mulheres na Ciência, edição 2017, promovido pela L’Oréal Brasil em parceria com a Organização das Nações Unidas (UNESCO), Fernanda Werneck trabalha para entender como, geneticamente, os biomas do Amazonas e do Cerrado se desenvolveram para, juntos, criarem uma biodiversidade incrível e gigantesca. O trabalho também visa entender como a transição de biodiversidade se dá entre os dois maiores biomas do Brasil e como as mudanças climáticas ameaçam esse processo.
Única pesquisadora brasileira agraciada com o prêmio internacional Mulheres na Ciência, edição 2017, promovido pela L’Oréal Brasil em parceria com a Organização das Nações Unidas (UNESCO), Fernanda Werneck trabalha para entender como, geneticamente, os biomas do Amazonas e do Cerrado se desenvolveram para, juntos, criarem uma biodiversidade incrível e gigantesca. O trabalho também visa entender como a transição de biodiversidade se dá entre os dois maiores biomas do Brasil e como as mudanças climáticas ameaçam esse processo. (Foto: Luis Pellegrini)



Fernanda Werneck 

 

 

Fernanda Werneck em trabalho de campo, no Rio Negro, no Amazonas 

 

O fato de sabermos ainda pouquíssimo sobre a biodiversidade brasileira encarece várias áreas da Ciência local como a farmácia e a ecologia. O Amazonas é um verdadeiro laboratório natural pouco desbravado e protegido; pela grandeza, é praticamente impossível monitorar cada canto e conter a onda de desmatamento atual. O Cerrado é igualmente ameaçado e, junto do bioma amazônico, constituem os dois principais locais naturais de interação genética entre organismos de várias espécies.

 

 
FernandaWerneck_Campo
 
A pesquisadora Fernanda Werneck
 

No âmbito do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, o trabalho de Fernanda Werneck, “Determinantes da diversidade genética e evolução no ecótono Cerrado-Amazônia”, investiga os padrões genéticos e os fluxos gênicos de organismos de ambos biomas. Além disso, a zona de transição entre os dois biomas também é estudada como o principal local de trocas de  genes e evolução biológica. Coincidentemente, essa área de transição entre os dois biomas se situa exatamente no assim chamado “arco do desmatamento brasileiro”.

“No projeto, utilizamos lagartos como organismos-modelos para avaliar os efeitos de mudanças climáticas globais nos potenciais riscos de extinção e capacidades adaptativas das espécies. As descobertas visam aprimorar o conhecimento básico sobre a altíssima diversidade biológica de áreas criticamente ameaçadas, com implicações relevantes para estratégias de conservação”, explica Werneck.

Werneck é pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisa do Amazonas (INPA) e ficou surpresa por ser uma das premiadas. “É uma honra muito grande receber esse prêmio em reconhecimento a todo um trabalho. Além disso, é uma grande oportunidade para dar maior visibilidade às importantes contribuições de jovens cientistas brasileiras à pesquisa em evolução da biodiversidade neotropical”, finaliza a pesquisadora.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247