Negócio da China: Dez coisas que convém saber sobre a economia chinesa

O ritmo de crescimento do país diminuiu e isso preocupa os economistas. Mas a China ainda tem muito para se gabar em termos de produção

O ritmo de crescimento do país diminuiu e isso preocupa os economistas. Mas a China ainda tem muito para se gabar em termos de produção
O ritmo de crescimento do país diminuiu e isso preocupa os economistas. Mas a China ainda tem muito para se gabar em termos de produção (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

 

 Por: Equipe Oásis

Após mais de vinte anos em que seus índices de crescimento nunca desceram dos dois dígitos, a economia chinesa este ano poderá crescer "apenas"7,5%. Segundo os analistas internacionais, esta não é uma boa notícia para ninguém: sozinho, o débito público chinês (sobre o qual no dia 29 de julho último o governo ordenou uma auditoria) não sustentado pelo crescimento do PIB (produto interno bruto) seria capaz de desencadear uma crise financeira mundial. Claro, ninguém pode afirmar que isso ocorrerá. Mas nos próximos meses os sobressaltos da economia chinesa poderão ganhar as primeiras páginas dos jornais desse país e também as dos nossos jornais.

 

Dez fatos que levam a reflexões

1. Um PIB multiplicado por dez
De 1978 a hoje o PIB da China aumentou dez vezes, tornando o país a segunda maior economia do mundo depois dos Estados Unidos. Os especialistas estão convencidos de que até 2020 a potência econômica da nação asiática irá superar a norte-americana.

 

2. Os novos "proprietários" dos EUA são... chineses

A China possui 1.200 bilhões de dólares em T-bonds, os títulos do tesouro americano, o que corresponde a cerca de 10% do inteiro débito público dos Estados Unidos. Não apenas: são chineses cerca de 80% dos fornecedores da cadeia de supermercados Walmart, os mais apreciados pelos norte-americanos.

 

3. Ricos e pobres
Mais de 135 milhões de chineses têm uma renda abaixo do nível da pobreza. Trata-se de mais de 10% da inteira população do país.
Segundo o Hurun Wealth Report um chinês de cada 1.300 possui mais de um milhão de dólares. No total nacional, existem 1 milhão e 20 mil ricos, e desses cerca de 63.500 são donos de um patrimônio pessoal superior a 13 milhões de dólares.

 

4. Desejo de ar fresco, computadores e celulares
A China produz 80 equipamentos de ar condicionado a cada mil pessoas da sua população. A média no resto do mundo é de apenas 4,8 equipamentos a cada mil pessoas. Os computadores produzidos atualmente somam 283 a cada mil pessoas (contra 5,9 computadores no resto do mundo). Também na produção de telefones celulares o país permanece imbatível: a China Mobile é o maior provider de serviços de telefonia do mundo, com um total de 558,9 milhões de assinantes. No país são produzidos 841 celulares a cada mil pessoas (contra apenas 83,6 aparelhos a cada mil pessoas no resto do mundo).

 

5. Viva o porco!
O porco é um animal muito apreciado na China. Ele aparece estilizado em vários ideogramas, e faz parte inclusive do sistema de horóscopos chineses. Mas esse animal constitui sobretudo o ingrediente básico de muitas culinárias locais. Na China são produzidas anualmente 51,5 milhões de toneladas de carne de porco: cerca de 50% da inteira produção mundial.

 

6. A pátria do filho único
Apesar de sua força de trabalho ter sido capaz de produzir resultados surpreendentes ao longo dos últimos vinte anos, o governo chinês procura limitar o crescimento da população através de uma rígida política do filho único. As famílias chinesas não podem ter mais de um filho. A lei é muito severa a respeito e parece que – segundo informam as pesquisas – essa política é aprovada por 75% por cento da população.

 

7. O campo ganha da cidade
Segundo alguns estudos, até 2015 a população urbana chinesa deverá atingir 700 milhões de pessoas. Mas isso representa, hoje, apenas 43% da inteira população do país. A maior parte dos habitantes da China continuam a viver no campo, onde com frequência subsistem situações de grande pobreza , de falta d'água e de transportes.

 

8. A febre do cimento
O boom imobiliário fez com que o país chegasse a produzir 60% do cimento mundial, modificando de um dia para outro enormes áreas da paisagem urbana chinesa. Alguns arranha-céus que acabam de ser construídos já se encontram, no entanto, em situação de risco. Em março deste ano uma comissão de investigação descobriu por exemplo que na cidade de Shenzen algumas empresas construtoras tinham usado cimento de má qualidade, vendido abaixo do custo, colocando em sério perigo a estabilidade de pelo menos 15 edifícios.

 

9. Uma bolha imobiliária gigante... de casas vazias
Calcula-se que na China existam hoje 64 milhões de casas vazias. O acúmulo delas criou, em certas áreas, verdadeiras cidades fantasmas. Mas as construções não param, e prevê-se que ao redor de 2025 existirá no país um número suficiente de edifícios capaz de conter as populações de 10 Nova York.

 

10. Natal na China
A China, hoje, é considerada a fábrica do mundo: entre as muitíssimas coisas que produz, estão as árvores e os enfeites de Natal. Calcula-se que 85% desses produtos são fabricados no país. E a quase totalidade deles é exportada, pois as tradições natalinas não fazem parte da cultura chinesa...

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247