180 dias depois, Temer divulga balanço dourado de uma catástrofe

Seis meses depois de assumir a presidência por meio de um golpe parlamentar, Michel Temer divulga seu primeiro balanço, sem mencionar seus 12 milhões de desempregados, a queda de 22% na venda de automóveis, o tombo de 6% no varejo, a economia que ele próprio diz que só irá se recuperar no segundo semestre de 2017 e o rombo de R$ 170 bilhões nas contas públicas; "Conduzido à Presidência da República em 12 de maio de 2016, Michel Temer imprimiu, em seis meses de governo, uma gestão marcada pelo diálogo com o Congresso Nacional, pelo controle das contas públicas e da inflação e o reforço a programas sociais com foco na redução da desigualdade e na geração de emprego", diz o balanço oficial do Palácio do Planalto

São Paulo - SP, 30/09/2016. Presidente Michel Temer, durante Solenidade de Abertura da 8ª edição do Exame Fórum. Foto: Beto Barata/PR
São Paulo - SP, 30/09/2016. Presidente Michel Temer, durante Solenidade de Abertura da 8ª edição do Exame Fórum. Foto: Beto Barata/PR (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Seis meses depois de assumir a presidência por meio de um golpe parlamentar, Michel Temer divulga seu primeiro balanço, sem mencionar seus 12 milhões de desempregados, a queda de 22% na venda de automóveis, o tombo de 6% no varejo, a economia que ele próprio diz que só irá se recuperar no segundo semestre de 2017 e o rombo de R$ 170 bilhões nas contas públicas.

Abaixo, o balanço dourado do Palácio do Planalto:

Conduzido à Presidência da República em 12 de maio de 2016, Michel Temer imprimiu, em seis meses de governo, uma gestão marcada pelo diálogo com o Congresso Nacional, pelo controle das contas públicas e da inflação e o reforço a programas sociais com foco na redução da desigualdade e na geração de emprego.

Nesse período, a equipe econômica do governo adotou diversas medidas para recuperar a capacidade do País em atrair investimentos e voltar a crescer. Os resultados apresentados desde então sugerem uma nação em acelerado processo de retomada do otimismo e da capacidade produtiva.  

O Risco Brasil caiu, os índices de confiança do setor privado aumentaram e as projeções do mercado para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2017 passaram de 0,50% – quando o novo governo começou – para os atuais 1,2%, segundo a expectativa dos agentes econômicos privados.

Relações internacionais

Diante do cenário com perspectivas mais otimistas, o governo fortaleceu as relações econômicas por meio de parcerias estabelecidas em viagens realizadas pelo presidente Michel Temer para países que mantêm extensa agenda de parceiras comerciais com o Brasil, a exemplo da China, dos Estados Unidos, da Argentina, do Paraguai, da Índia e do Japão.

O presidente também manteve, no período, contatos com outros líderes mundiais, como o atual secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, e o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, que afirmou que as relações com o Brasil, enfim, haviam se restabelecido após  “mais de três anos” congeladas. O presidente também se encontrou com os chefes de Estado da África do Sul, Colômbia, Uruguai, Israel, Palestina e o futuro secretário-geral da ONU, António Guterres.

Diálogo constante

O diálogo também foi a marca de Temer com as lideranças políticas brasileiras. Nos últimos seis meses, o governo registrou conquistas importantes no Congresso Nacional, como as aprovações da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do teto dos gastos públicos, do novo marco regulatório do Pré-sal, da meta fiscal para 2016 e da nova Lei das Estatais.

Na educação, o governo Temer colocou em debate a reestruturação do ensino médio, garantiu a renovação de mais de 1,1 milhão de contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), além de repasse de recursos que ultrapassam os R$ 5 bilhões para instituições federais dos ensinos básico, técnico e superior.

A criação do programa Criança Feliz, do Cartão Reforma e a continuidade do programa Mais Médicos também garantiram os investimentos nas áreas da saúde e bem-estar social. 

Conheça as principais medidas adotadas e os avanços já conquistados: 

Atuação e apoio ao governo

Educação

Saúde

Economia

Programas sociais

Relações internacionais

Segurança

Esporte

Infraestrutura

Meio ambiente

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247