Aécio passa a atuar em frente antibolivariana

Senador foi o único brasileiro convidado a falar no IV Forum de Lima - América Latina: desafios e oportunidades, que acontece no Peru amanhã e sexta-feira; presidente do PSDB, principal partido de oposição ao governo Dilma, Aécio Neves discorrerá sobre o tema "Entre o populismo e a liberdade", em meio a nomes de oposição aos governos progressistas da América Latina; para discutir a Venezuela, por exemplo, estarão Mitzy Capriles de Ledezma, esposa do prefeito de Caracas Antonio Ledezma, líder da oposição a Nicolás Maduro preso recentemente, e Lilian Tintori de López, ativista de direitos humanos e casada com o também oposicionista preso Leopoldo López, presidente do partido Voluntad Popular; o evento é promovido pela Fundação Internacional para a Liberdade, do escritor Mario Vargas Llosa

Senador foi o único brasileiro convidado a falar no IV Forum de Lima - América Latina: desafios e oportunidades, que acontece no Peru amanhã e sexta-feira; presidente do PSDB, principal partido de oposição ao governo Dilma, Aécio Neves discorrerá sobre o tema "Entre o populismo e a liberdade", em meio a nomes de oposição aos governos progressistas da América Latina; para discutir a Venezuela, por exemplo, estarão Mitzy Capriles de Ledezma, esposa do prefeito de Caracas Antonio Ledezma, líder da oposição a Nicolás Maduro preso recentemente, e Lilian Tintori de López, ativista de direitos humanos e casada com o também oposicionista preso Leopoldo López, presidente do partido Voluntad Popular; o evento é promovido pela Fundação Internacional para a Liberdade, do escritor Mario Vargas Llosa
Senador foi o único brasileiro convidado a falar no IV Forum de Lima - América Latina: desafios e oportunidades, que acontece no Peru amanhã e sexta-feira; presidente do PSDB, principal partido de oposição ao governo Dilma, Aécio Neves discorrerá sobre o tema "Entre o populismo e a liberdade", em meio a nomes de oposição aos governos progressistas da América Latina; para discutir a Venezuela, por exemplo, estarão Mitzy Capriles de Ledezma, esposa do prefeito de Caracas Antonio Ledezma, líder da oposição a Nicolás Maduro preso recentemente, e Lilian Tintori de López, ativista de direitos humanos e casada com o também oposicionista preso Leopoldo López, presidente do partido Voluntad Popular; o evento é promovido pela Fundação Internacional para a Liberdade, do escritor Mario Vargas Llosa (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O senador Aécio Neves, presidente do principal partido de oposição ao governo da presidente Dilma Rousseff, o PSDB, embarcou de vez na campanha antibolivariana na América Latina. O tucano foi o único brasileiro convidado a falar no IV Forum de Lima - América Latina: desafios e oportunidades, que acontece em Lima, no Peru, nesta quinta 26 e sexta-feira 27. O evento é promovido pela Fundação Internacional para a Liberdade, presidida pelo escritor Mario Vargas Llosa.

Aécio discorrerá sobre o tema "Entre o populismo e a liberdade", em meio a nomes de oposição aos governos progressistas no continente, como o ex-presidente da Colômbia Andrés Pastranha Arango, membro do Partido Conservador Colombiano, e o ex-presidente uruguaio Jorge Batlle, que já chegou a justificar a repressão da ditadura militar naquele país.

Para discutir a Venezuela, estarão presentes Mitzy Capriles de Ledezma, esposa do prefeito de Caracas Antonio Ledezma, líder da oposição preso recentemente, e Lilian Tintori de López, ativista de direitos humanos e casada com Leopoldo López, também preso recentemente e presidente do partido Voluntad Popular, opositor ao governo de Nicolás Maduro.

No período das eleições presidenciais, Aécio Neves, que ficou em segundo lugar na disputa ao Planalto, manifestou seu receio a um risco de 'bolivarianismo' no Brasil, com o mesmo fervor expressado pela extrema-direita venezuelana ou pelos Estados Unidos. Em uma entrevista, o senador tucano alertou para o risco de o Judiciário do País se tornar politizado pelo fato de a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal terem sido indicação do governo do PT.

"É preciso que o Congresso esteja muito atento às novas indicações, seja para o STJ, seja para o STF. Não podemos permitir que haja qualquer tipo de alinhamento político do Judiciário brasileiro. A sociedade está mais atenta do que nunca para que as nossas instituições sejam preservadas", declarou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247