Aldo: ninguém vai cogitar reduzir o mandato presidencial

Ex-líder do governo, ministro da Ciência e tecnologia, Aldo Rebelo (PCdoB), reconhece que a atual aliança partidária ainda procura lideranças para dar rumo, mas afasta possibilidade de ruptura no Congresso: “Ninguém vai cogitar a hipótese de reduzir o mandato presidencial”; segundo ele, há uma reação organizada aos efeitos indesejáveis da investigação da operação Lava Jato; mas diz que destruir o patrimônio de interesse público e nacional é inadmissível. Fragilizar e expor a Petrobras e as construtoras...” 

Ex-líder do governo, ministro da Ciência e tecnologia, Aldo Rebelo (PCdoB), reconhece que a atual aliança partidária ainda procura lideranças para dar rumo, mas afasta possibilidade de ruptura no Congresso: “Ninguém vai cogitar a hipótese de reduzir o mandato presidencial”; segundo ele, há uma reação organizada aos efeitos indesejáveis da investigação da operação Lava Jato; mas diz que destruir o patrimônio de interesse público e nacional é inadmissível. Fragilizar e expor a Petrobras e as construtoras...” 
Ex-líder do governo, ministro da Ciência e tecnologia, Aldo Rebelo (PCdoB), reconhece que a atual aliança partidária ainda procura lideranças para dar rumo, mas afasta possibilidade de ruptura no Congresso: “Ninguém vai cogitar a hipótese de reduzir o mandato presidencial”; segundo ele, há uma reação organizada aos efeitos indesejáveis da investigação da operação Lava Jato; mas diz que destruir o patrimônio de interesse público e nacional é inadmissível. Fragilizar e expor a Petrobras e as construtoras...”  (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Ex-ministro da Articulação política do governo Lula, o ministro da Ciência e tecnologia, Aldo Rebelo (PCdoB), reconhece que a atual aliança partidária ainda procura lideranças para dar rumo, mas afasta possibilidade de ruptura no Congresso: “Ninguém vai cogitar a hipótese de reduzir o mandato presidencial”.

Em entrevista ao Valor, ele diz que há uma reação organizada aos efeitos indesejáveis da investigação da operação Lava Jato; mas afirma que destruir o patrimônio de interesse público e nacional é inadmissível. Fragilizar e expor a Petrobras e as construtoras...”.

“As empresas precisam continuar operando com todas as suas prerrogativas, e os culpados pela corrupção, punidos” (leia mais).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247