Após racha, PSDB empurra para Temer destino de ministros

Acordo interno firmado entre o senador e presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati (CE), e o senador e presidente licenciado da legenda, Aécio Neves (MG), em torno do processo de eleições internas do partido, evidenciou o racha tucano e jogou o destino dos ministros da sigla em cima do colo de Michel Temer; "Vamos reavivar o partido. Se tem ministro (do PSDB no governo), se não tem ministro, isso é problema do presidente. Não é nosso problema", disse Tasso; PSDB ocupa quatro ministérios no governo Temer

Acordo interno firmado entre o senador e presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati (CE), e o senador e presidente licenciado da legenda, Aécio Neves (MG), em torno do processo de eleições internas do partido, evidenciou o racha tucano e jogou o destino dos ministros da sigla em cima do colo de Michel Temer; "Vamos reavivar o partido. Se tem ministro (do PSDB no governo), se não tem ministro, isso é problema do presidente. Não é nosso problema", disse Tasso; PSDB ocupa quatro ministérios no governo Temer
Acordo interno firmado entre o senador e presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati (CE), e o senador e presidente licenciado da legenda, Aécio Neves (MG), em torno do processo de eleições internas do partido, evidenciou o racha tucano e jogou o destino dos ministros da sigla em cima do colo de Michel Temer; "Vamos reavivar o partido. Se tem ministro (do PSDB no governo), se não tem ministro, isso é problema do presidente. Não é nosso problema", disse Tasso; PSDB ocupa quatro ministérios no governo Temer (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O acordo interno firmado entre o senador e presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati (CE), e o senador e presidente licenciado da legenda, Aécio Neves (MG), em torno do processo de eleições internas do partido, evidenciou o racha tucano e jogou o destino dos ministros da sigla em cima do colo de Michel Temer. "Vamos reavivar o partido. Se tem ministro (do PSDB no governo), se não tem ministro, isso é problema do presidente. Não é nosso problema", disse Tasso.

Declaração, feita um dia após a votação pela Câmara que resultou no arquivamento da denúncia de corrupção passiva contra Temer, expôs o racha tucano uma vez que uma ala do partido defende o desembarque imediato do governo peemedebista. " Continuar (no governo Temer) é uma questão, para nós, absolutamente secundária. Essa questão de cargos e ministérios pertence ao presidente da República, que fará aquilo que achar mais adequado em relação aos cargos do PSDB. Isso não é uma preocupação que nós temos", afirmou Aécio. O senador mineiro vinha defendendo a permanência do PSDB na base governista.

"Em relação ao cronograma do PSDB acertado com o senador Tasso Jereissati, o PSDB fará, até o fim do ano, a renovação das suas direções municipais, estaduais, da sua direção nacional e apresentará o nome do seu pré-candidato à Presidência da República", disse Aécio.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247