Após Temer, Renan baixa as armas e isola Cunha

Presidente da Câmara "deu sinais de seu desagrado com a jogada de Dilma" na escolha do vice-presidente, Michel Temer, para a articulação política; "ao passo que Renan Calheiros, presidente do Senado, deu um passo à frente. Declarou que Dilma 'foi ousada' e que a escolha de Temer representa 'uma virada' na relação como Congresso e a coalizão governista"; observação é da colunista do 247 Tereza Cruvinel; jornalista afirma que Renan "é mais propenso a compreender que do sucesso de Temer no posto dependem tanto ele como o PMDB", e que "se ele se recompõe, Cunha fica isolado em sua bronca com Dilma e o governo"; mas lembra que, independente disso, ao lado de Eduardo Cunha há "uma penca de peemedebistas vestindo camisas de oposição"; e questiona: "O que os atazana tanto?"

Presidente da Câmara "deu sinais de seu desagrado com a jogada de Dilma" na escolha do vice-presidente, Michel Temer, para a articulação política; "ao passo que Renan Calheiros, presidente do Senado, deu um passo à frente. Declarou que Dilma 'foi ousada' e que a escolha de Temer representa 'uma virada' na relação como Congresso e a coalizão governista"; observação é da colunista do 247 Tereza Cruvinel; jornalista afirma que Renan "é mais propenso a compreender que do sucesso de Temer no posto dependem tanto ele como o PMDB", e que "se ele se recompõe, Cunha fica isolado em sua bronca com Dilma e o governo"; mas lembra que, independente disso, ao lado de Eduardo Cunha há "uma penca de peemedebistas vestindo camisas de oposição"; e questiona: "O que os atazana tanto?"
Presidente da Câmara "deu sinais de seu desagrado com a jogada de Dilma" na escolha do vice-presidente, Michel Temer, para a articulação política; "ao passo que Renan Calheiros, presidente do Senado, deu um passo à frente. Declarou que Dilma 'foi ousada' e que a escolha de Temer representa 'uma virada' na relação como Congresso e a coalizão governista"; observação é da colunista do 247 Tereza Cruvinel; jornalista afirma que Renan "é mais propenso a compreender que do sucesso de Temer no posto dependem tanto ele como o PMDB", e que "se ele se recompõe, Cunha fica isolado em sua bronca com Dilma e o governo"; mas lembra que, independente disso, ao lado de Eduardo Cunha há "uma penca de peemedebistas vestindo camisas de oposição"; e questiona: "O que os atazana tanto?" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Tereza Cruvinel

Depois da votação de ontem, do regime de urgência para o projeto de terceirização, o vice-presidente Michel Temer e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, tinham um encontro marcado para discutir a indicação do primeiro como responsável pela coordenação política do governo. Ao longo da sessão, Cunha deu sinais de seu desagrado com a jogada de Dilma, ao passo que Renan Calheiros, presidente do Senado, deu um passo à frente. Declarou que Dilma "foi ousada" e que a escolha de Temer representa "uma virada" na relação como Congresso e a coalizão governista.

Renan é mais pragmático. Cunha é mais sanguíneo. Se é mais propenso a compreender que do sucesso de Temer no posto dependem tanto ele como o PMDB. Se ele se recompõe, Cunha fica isolado em sua bronca com Dilma e o governo.

Na sessão de ontem o presidente da Câmara não conseguiu evitar esgares e gestos faciais involuntários a cada vez que um orador ia ao microfone e saudava Dilma pela escolha de Temer. Mas irritou-se mesmo foi com o deputado Silvio Costa (PSC-PE), quando este o cumprimentou pela "indicação" de Temer, louvou Dilma e terminou dando vivas ao "PMDB e ao Brasil". Cunha acalmou outros peemedebistas que tentaram replicar dizendo que ele mesmo o faria. E respondeu ao orador dizendo que ele não tinha procuração para falar em nome de ninguém do PMDB.

Mas houve depois a conversa com Temer, da qual ainda nada sabe. Ela foi importante para definir as novas jogadas de Cunha, que não está sozinho. Dilma, é verdade, cometeu o erro de não comunicar previamente aos caciques do PMDB sua "ousadia". Mas, independentemente disso, Cunha tem a seu lado uma penca de peemedebistas vestindo camisas de oposição. O que eles querem? Juram que não é cargos nem liberação de verbas orçamentárias? O que os atazana tanto?

Uma velha raposa da Câmara (onde a espécie está em extinção) arrisca um palpite: estão todos com dívidas de campanha e procurando algum socorro que o PT e o governo não lhes podem dar.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247