Aras pede que equipe analise possíveis crimes de Bolsonaro delatados por Moro

A equipe deve analisar se os fatos delatados pelo ex-ministro Sergio Moro caracterizam obstrução à investigação de organização criminosa e advocacia administrativa

Augusto Aras e Bolsonaro
Augusto Aras e Bolsonaro (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF | Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Horas após o pronunciamento que marcou a saída do ex-ministro Sergio Moro do governo Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (24), o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, pediu à sua equipe análise jurídica dos possíveis crimes cometidos por Bolsonaro e delatados por Moro.

Como PGR, Aras é o único que pode solicitar ao STF a abertura de inquérito pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar as supostas tentativas de interferência de Bolsonaro na Polícia Federal (PF).

A equipe de Aras estuda se os atos delatados por Moro podem caracterizar obstrução à investigação de organização criminosa e advocacia administrativa por parte de Bolsonaro. 

Após a análise, Aras decidirá se irá pedir aberutra de inquérito pelo STF. O PGR tem pressa.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247