Assessores do Gabinete do Ódio desmentem Wajngarten e admitem à PF atuar na Secom

Tércio Thomaz, membro do Gabinete do Ódio e assessor especial de Jair Bolsonaro, admitiu em depoimento à PF que dois funcionários que trabalham com ele tinham atuação junto à Secom. Depoimento de Tércio contradiz o ex-secretário Fabio Wajngarten, que negou em depoimento à CPI da Covid qualquer relação de membros do Gabinete do Ódio com a Secom

(Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em depoimento à CPI da Covid, o ex-titular da Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República) Fabio Wajngarten disse que Tércio Thomaz, assessor especial de Jair Bolsonaro (sem partido), não tinha relação com o trabalho da pasta. No entanto, em depoimentos no inquérito dos atos antidemocráticos, Tércio Thomaz admitiu à Polícia Federal (PF) que dois assessores que trabalham com ele, José Matheus Salles Gomes e Mateus Diniz, tinham atuação junto à Secom. Eles relataram à PF suas funções. 

"O único gabinete que eu conheço é o gabinete da Secretaria Especial de Comunicação. O senhor Tércio nunca fez parte do quadro da Secom. O senhor Tércio nunca participou de decisões estratégicas, seja de qualquer conteúdo que a Secom determinou, veiculou ou planejou. Nenhuma interferência do senhor Tércio", declarou Wajngarten em seu depoimento à CPI da Covid no dia 12 de maio, marcado por diversas contradições

Segundo reportagem do portal UOL, o trio escolhido pelo vereador Carlos Bolsonaro, apontado como o chefe da pasta de comunicação paralelo do governo,  contou aos investigadores que faziam articulações e intermediavam a comunicação e o diálogo da Secom com a Presidência.

Thomaz revelou que trabalha em "uma sala situada no Palácio do Planalto, 3° andar; que compartilha a sala com José Matheus e com Mateus Diniz". Segundo Thomaz, José Matheus tem como atribuição "intermediar os assuntos com a Secom, de interesse de comunicação".

Já Diniz, trabalha no Planalto e tem como função "auxiliar a interligação da Secom com a assessoria pessoal do Presidente da República".

A reportagem ainda informa que, ao prestar depoimento, José Mateus afirmou à PF que sua "atribuição é de acompanhar a agenda do presidente da República, realizar a análise de cenário da internet (pautas do dia, temas que podem ser polêmicos ou de interesse do governo) para assessorar o presidente da República na tomada de decisões".

O assessor disse ainda que "sua função está mais ligada à área de comunicação do governo como um todo, envolvendo a parte de estratégia de comunicação das atividades desenvolvidas pelo governo (ideias, sugestões, temas que não devem ser abordados em determinado momento etc.)". Segundo ele, a Secom realiza o trabalho de comunicação, mas ele "atua no sentido de auxiliar estrategicamente essas abordagens".

SFT 

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a retirada do sigilo do inquérito que apura a organização de atos antidemocráticos. A decisão ocorre após o o procurador-geral da PGR, Augusto Aras, defender o arquivamento da investigação.

O inquérito apura quem organizou e financiou atos bolsonaristas exigindo a intervenção militar e a adoção de um novo AI-5. 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email