Bolsonaro já aceita sua provável derrota no decreto das armas: 'não sou ditador, pô'

​"Eu não posso fazer nada. Eu não sou ditador, sou democrata, pô", afirmou o presidente, quando foi questionado sobre a possibilidade de derrota no Congresso

Presidente da República Jair Bolsonaro
Presidente da República Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Sputinik – O Senado vota nesta terça-feira (18)) o parecer aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) sobre a suspensão do decreto do presidente Jair Bolsonaro que facilita o porte de armas.

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou na semana passada um relatório que pede a suspensão do decreto de maio do presidente Jair Bolsonaro que facilitou o porte de armas no Brasil.

Ao comentar a possibilidade do Senador derrubar o decreto, Bolsonaro declarou que não poderá fazer nada se o plenário assim decidir.

Em vídeo, Bolsonaro defendeu o decreto das armas

​"Eu não posso fazer nada. Eu não sou ditador, sou democrata, pô", afirmou o presidente, após cerimônia de hasteamento da bandeira com ministros, no Palácio do Planalto.

"Nós sabemos que no Brasil, hoje em dia, quem está à margem da lei está armado. Queremos, para o lado de cá, dar o direito à legitima defesa, que foi decidido nas urnas em 2005. Nada mais estou fazendo do que atendendo a vontade do povo expressa nas urnas em 2005 por ocasião do referendo", acrescentou.

O decreto de armas, assinado por Bolsonaro no dia 7 de maio, facilita o porte de armas de fogo para 20 categorias, incluindo políticos eleitos, caminhoneiros e oficiais de Justiça.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247