Bolsonaro diz que não está previsto troca de ministros em 2020

Reportagem do jornal Folha de S.Paulo apontou no sábado que Bolsonaro pode trocar os ministros da Casa Civil (Onyx Lorenzoni), da Educação (Abraham Weintraub) e das Minas e Energia (Bento Alburquerque). Segundo o jornal, as mudanças devem ocorrer até fevereiro

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que não pretende trocar ministros em 2020, após circularem notícias no fim de semana sobre uma possível reforma ministerial no segundo ano de governo.

“Não está previsto mudar. É como perguntar se está previsto eu me separar da minha mulher, não está previsto”, disse Bolsonaro a jornalistas na saída do Palácio da Alvorada, ao ser questionado sobre possíveis mudanças no ministério.

Reportagem do jornal Folha de S.Paulo apontou no sábado que Bolsonaro pode trocar os ministros da Casa Civil (Onyx Lorenzoni), da Educação (Abraham Weintraub) e das Minas e Energia (Bento Alburquerque). Segundo o jornal, as mudanças devem ocorrer até fevereiro.

Especificamente sobre o ministro da Educação, Bolsonaro afirmou que ele está garantido no cargo.

“De acordo com as críticas que ele sofre, por exemplo, o Weintraub, de acordo com os jornalistas que o criticaram, eu disse: ‘Weintraub, você não sai mais daí’”, afirmou.

No mês passado, Bolsonaro já havia negado intenção de realizar reforma ministerial, após o site Vortex publicar que o presidente tinha decidido trocar os ministros Weintraub, Onyx e também o titular do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247