Campanha agressiva do PSDB busca polarizar com Bolsonaro

A nova tática da campanha de Geraldo Alckmin, pré-candidato à presidência da república pelo PSDB, é investir no eleitorado feminino; a estratégia é atacar o mais misógino dos candidatos, Jair Bolsonaro; a busca pela narrativa mínima e a consequente polarização com Bolsonaro é o último gesto de um partido devastado pelas consequências de sua associação com o golpe

geraldo alckmin e jair bolsonaro
geraldo alckmin e jair bolsonaro (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A nova tática da campanha de Geraldo Alckmin, pré-candidato à presidência da república pelo PSDB, é investir no eleitorado feminino. A estratégia é atacar o mais misógino dos candidatos, Jair Bolsonaro. A busca pela narrativa mínima e a consequente polarização com Bolsonaro é o último gesto de um partido devastado pelas consequências de sua associação com o golpe.

“Em busca do eleitorado feminino que rejeita o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), a pré-campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) intensificará as críticas nas redes sociais a falas polêmicas do adversário sobre mulheres e outras minorias. Nesta quarta (27), estreia vídeo da série intitulada “Bolsonaro? Tô Fora!”. No filme de um minuto, sem citar Bolsonaro nominalmente, uma atriz diz que não pode “confiar em alguém que é a favor da violência, é machista, racista e homofóbico”. “Cara, você só fala absurdo!”, afirma.

Os auxiliares de Alckmin acreditam que, hoje, Bolsonaro é o principal rival do tucano na disputa ao Planalto. E Alckmin mira no eleitorado mais refratário ao deputado, o feminino, para tentar ampliar sua pontuação nas pesquisas. De acordo com o último levantamento do Datafolha, Bolsonaro tem índices mais altos entre os homens (26%) do que entre as mulheres (12%). No vídeo produzido pela pré-campanha tucana, a atriz lembra também das mais recentes polêmicas envolvendo Bolsonaro. Com um celular na mão, como se tivesse lendo o noticiário, ela diz: “Esterilizar pobre? Mulher tem que ganhar menos? E ainda gosta de torturadores?”.

Leia mais aqui.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247