Caos bolsonarista reabre debate sobre adoção do parlamentarismo

A paralisia do governo de Jair Bolsonaro, que diz repudiar a chamada 'velha política' e se mostra incapaz de articular uma maioria no Congresso Nacional, já leva caciques do parlamento a debater novamente a adoção de um regime parlamentarista; a ideia deve ser levada ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que expôs a insatisfação do Congresso com a falta de empenho do Poder Executivo na questão da Previdência

Caos bolsonarista reabre debate sobre adoção do parlamentarismo
Caos bolsonarista reabre debate sobre adoção do parlamentarismo (Foto: Reuters/Agência Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A paralisia do governo de Jair Bolsonaro, que diz repudiar a chamada 'velha política' e se mostra incapaz de articular uma maioria no Congresso Nacional, já leva caciques do parlamento a debater novamente a adoção de um regime parlamentarista.

A ideia deve ser levada ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que expôs a insatisfação do Congresso com a falta de empenho do Poder Executivo na questão da Previdência, segundo informa a coluna Painel

"O acirramento do embate entre o Congresso e o governo Jair Bolsonaro reavivou a discussão sobre a implantação do parlamentarismo no Brasil. Deputados veteranos dizem que os recentes episódios confirmam a tese de que o modelo presidencialista se esgotou e não atende mais às demandas do país. Afirmam, no entanto, que não dá para 'trocar a roda com o carro andando'. A ideia é debater uma mudança de regime político que passe a valer a partir de 2022, com o fim da atual gestão", informa a jornalista Daniela Lima, editora do Painel da Folha. "Esses parlamentares pretendem propor ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a criação de uma comissão para 'um debate profundo' sobre a mudança de regime."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247